Brasil

Caso Miguel: patrão tinha contratado mãe do garoto como servidora e caso é investigado pelo TCE

Ele é prefeito da cidade de Tamandaré e contratou a doméstica como servidora do município

Publicado em 05/06/2020 18:30 Atualizado em 26/11/2020 19:49
logo
Por Redação Portal T5
Caso Miguel: patrão tinha contratado mãe do garoto como servidora e caso é investigado pelo TCE

Foto: Reprodução/ TV Globo

Além da revolta causada pela morte do menino Miguel, de 5 anos, filho da empregada doméstica Mirtes Renata de Souza, outro fator, descoberto nesta sexta-feira (5), chamou a atenção. A mãe do menino que morreu após cair do nono andar de um prédio no Recife, era contratada como servidora pública da Prefeitura de Tamandaré.

De acordo com o Jornal EXTRA, o patrão da empregada doméstica, Sérgio Hacker Corte Real (PSB), que é prefeito do município, inseriu a sua funcionária pessoal no quadro dos servidores. A "nomeação" aconteceu no dia 1º de fevereiro de 2017.

De acordo com informações contidas no Portal da Transparência de Tamandaré, na folha de pagamento da prefeitura, consta que a empregada recebia um salário de R$ 1.517,57 até março de 2020. No entanto, nos dois últimos meses, abril e maio, o pagamento baixou para R$ 1.093,62, que é o valor atual do salário mínimo.

Na descrição do contrato, fica claro que não foi exigido qualquer comprovante de escolaridade, enquanto a carga horária aparece com um total de zero horas semanais, o que pode ser entendido como "funcionária fantasma".

O Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) confirmou, nesta sexta-feira (5), que deu início às investigações na Prefeitura de Tamandaré. Não houve manifestação por parte da prefeitura do município.

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play