Política

Bolsonaro cita erro no contrato da Covaxin e confirma investigação

Segundo o presidente querem imputar a ele crime de corrupção que "não foi gasto um centavo"

Publicado em 25/06/2021 11:39 Atualizado em 25/06/2021 11:43
logo
Por Redação Portal T5
Bolsonaro cita erro no contrato da Covaxin e confirma investigação

(Foto: PR/Reprodução)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a dizer que seu governo não é corrupto. Ao ser questionado sobre superfaturamento em contrato de compra da vacina indiana Covaxin disse que o laboratório disse que o preço está na média de outros países e repetir que não comprou o imunizante. "Querem imputar a mim um crime de corrupção que não foi gasto um centavo", afirmou. 

Ele explicou ainda que houve um equívoco corrigido no documento da Covaxin " Era um documento que faltava um zero lá. Em vez de 300 mil doses, eram 3 milhões. Foi corrigido no dia seguinte. Não foi gasto um centavo com a Covaxin", concluiu. "Qualquer cego vai ver se tem superfaturamento de 1000%", ironizou. Ele afirmou que o deputado Luís Miranda (DEM-DF) será investigado a pedido do governo sobre suspeitas de superfaturamento em contrato da vacina indiana.

O presidente também mandou recado ao ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, sobre o voto impresso. "Senhor prezado ministro Barroso do Supremo, é mentira quando diz que é voto de papel novamente", disse Bolsonaro afirmando que "Se o Congresso aprovar o voto auditável da Bia Kicis teremos voto impresso no ano que vem e ponto final". 

O presidente Jair Bolsonaro inaugura nesta 6ª feira (25.jun)o Centro de Excelência em Tecnologia 4.0 no Parque Tecnológico de Sorocaba em São Paulo. O Centro é pioneiro no conceito "hélice quíntupla", que une conhecimento e inovação, estimulando o desenvolvimento tecnológico, especialmente baseado em Internet das Coisas e robótica.

SBT News

Veja mais:

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play