TV Tambaú
Jovem Pan
Nova Brasil Maceió
º

Ex-diretor do Hospital de Trauma deve devolver R$ 1,2 milhão aos cofres públicos

Caso é referente ao momento em que o profissional prestava serviço para a Organização Social Cruz Vermelha

Por Dennison Vasconcelos Publicado em
Homem sofre tentativa de homicídio no Centro de João Pessoa
Homem sofre tentativa de homicídio no Centro de João Pessoa (Foto: Verinho Paparazzo/ RTC)

O médico Edvan Benevides de Freitas Júnior terá de repor aos cofres públicos R$ 1.222.408,11, referente a vantagens recebidas por acumulação de cargos, quando ocupou a diretoria do Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. A decisão é do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB).

O caso é referente ao momento em que o profissional prestava serviço para a Organização Social Cruz Vermelha.

Ao apreciar a inspeção, a corte julgou irregulares as despesas da OS na gestão daquela unidade hospitalar. Na inspeção o órgão auditor analisou os valores recebidos pelo médico no período entre os anos de 2009 e 2021, e entendeu que houve “exorbitante acumulação de vínculos públicos”, contrariando o art. 37 de Constituição Federal, XVI, que veda a acumulação de cargos públicos, excepcionando dois cargos na saúde, apenas nos casos de compatibilidade de horários.

No relatório, constatou-se que o médico ocupava “sistematicamente mais de dois vínculos, em diferentes entes, alcançando extremos de quatro ou cinco vínculos em diversas competências”.

O conselheiro André Carlo Torres Pontes, no voto vista, observou que as vantagens recebidas pelo médico na condição de diretor da OS não foram contestadas. Os valores a serem ressarcidos devem recair na acumulação dos demais vínculos. Cabe recurso.

O Portal T5 não conseguiu contato com Edvan Benevides.

Leia também:



Relacionadas