Paraíba

Vereador de JP desobedece decreto e Ministro Público cobra R$ 25 mil em acordo

O vereador preferiu não falar sobre o assunto

Publicado em 07/05/2021 16:15
logo
Por Redação Portal T5
Vereador de JP desobedece decreto e Ministro Público cobra R$ 25 mil em acordo

(Reprodução/Instagram @tarcisiojardim)

O  Ministério Público da Paraíba (MPPB) fez uma cobrança no valor de R$ 25 mil ao vereador de João Pesoa e proprietário de uma academia Tarcísio Jardim (Patriota) após o descumprimento do Decreto Municipal 9.699/2021, que estabelecia medidas restritivas para conter a disseminação do novo coronavírus. De acordo com o MPPB, a academia funcionou durante o período que a atividade estava proibida. Além dele, o administrador do empreendimento também deve ser responsabilizado.

Conforme o MPPB, o valor da reparação de danos foi proposto com o objetivo de evitar a propositura de ação civil. Porém, a cobrança foi recusada pelo vereador. O Portal T5 entrou em contato com o vereador, mas ele preferiu não falar sobre o assunto, justificando que precisava "conversar com os advogados".

Segundo o Ministério Público, o valor foi estabelecido levando em consideração o valor da multa prevista nos decretos estaduais e municipais que vedam o funcionamento da atividade. Ainda segundo o MP, esse recurso seria destinado para o município de João Pessoa e revertido na compra de medicamentos para intubação de doentes.

De acordo com o MPPB, as condutas dos envolvidos implicam em sanções de ordem administrativa, civil e penal.

Consta no procedimento aberto na Promotoria de Justiça, que a Vigilância Sanitária compareceu à academia no dia 29 de março e constatou a abertura do empreendimento. De acordo com o Ministério Público, o decreto municipal vedava expressamente o funcionamento de estádios, ginásios e centros esportivos, entre os dias 27 de março e de abril.

De acordo com a 49ª promotora de Justiça da Capital, Jovana Tabosa, como a proposta do MPPB foi negada pelos envolvidos, o Ministério Público vai iniciar a judicialização do caso. Ainda segundo ela, "será ajuizada uma ação civil pública, com pedido de indenização por danos morais coletivos, por violação ao direito fundamental à saúde e pelo prejuízo causado à prestação do serviço público de saúde, passíveis de compensação pecuniária”.

Tarcísio Jardim foi destaque na mídia local na última quinta-feira (6) após ele expor uma pistola e uma bíblia. O caso aconteceu enquanto ele defendia o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante uma sessão online, exibida pelo canal do YouTube da Câmara Municipal.

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play