Paraíba

Servidores 'fantasmas' são alvo da Polícia Federal em prefeitura na Paraíba

Ações cumprem mandados de busca e apreensão nesta quarta-feira (21).

Publicado em 21/07/2021 05:51 Atualizado em 21/07/2021 07:07
logo
Por Dennison Vasconcelos
Sede da Polícia Federal na Paraíba, em João Pessoa

Sede da Polícia Federal na Paraíba, em João Pessoa (Foto: Portal T5/Arquivo)

Cerca de R$ 224 mil desviados de verbas públicas para enfrentamento à Covid-19 são investigados pela Polícia Federal em uma operação realizada no início da manhã desta quarta-feira (21), na Paraíba. As ações apuram prestadores de serviço e servidores contratados "fantasmas" pela Prefeitura Municipal de Mulungu, no Brejo do estado.

Vereadores do município denunciaram o esquema investigado pela Controladoria Geral da União (CGU). Investigações apuram o repasse de valores entre o funcionário de uma empresa, pertencente a um dos secretários municipais, e contratados “fantasmas”.

Conforme a PF, os prestadores “fantasmas” foram contratados pela prefeitura para realizar serviços de apoio a agentes de saúde e da Vigilância Sanitária, mas os contratos não teriam sido prestados. Depois, os valores (ou parte destes) foram repassados a “operadores” que seriam funcionários de uma empresa do ramo cerâmico, de propriedade de um dos secretários municipais. Desvio chega a R$ 224.801,28.

Segundo a PF, quatro mandados de busca foram cumpridos em endereços ligados aos investigados. Ninguém foi preso.

O Portal T5 procurou a Prefeitura Municipal de Mulungu, mas as ligações não foram atendidas.

Os investigados podem responder pelo crime de peculato, cuja pena pode chegar a 12 anos de reclusão.

A operação nomeada Falsum Latere, refere-se a forma latina de 'falso tijolo', em alusão à empresa relacionada com a investigação do ramo de cerâmicas.

Veja também:

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play