Paraíba

"Quem o matou é um demônio, acabou com a minha vida", diz mãe do garoto Guilherme

O IPC comprovou nesta quinta que a ossada encontrada em João Pessoa é da criança.

Publicado em 26/07/2018 12:21
logo
Por Redação Portal T5
"Quem o matou é um demônio, acabou com a minha vida", diz mãe do garoto Guilherme

Guilherme foi visto pela última vez na rua onde mora, no dia 10 de fevereiro
Guilherme foi visto pela última vez na rua onde mora, no dia 10 de fevereiro Foto: Reprodução / TV Tambaú

Na manhã desta

quinta-feira (26), o Instituto de Polícia Científica (IPC) da

Paraíba confirmou que ossada encontrada no bairro de Gramame, em João Pessoa, no dia 15 de junho, é de fato do garoto Guilherme Marinho, de 7 anos de idade. A criança estava desaparecida desde o

início de fevereiro desse ano, quando foi vista pela última vez

brincando na rua de casa, no bairro do Costa e Silva.

A mãe de Guilherme,

Valdenice Marinho, disse que ficou sabendo da notícia pela imprensa,

quando ligaram para ela perguntando informando o resultado dos

exames. Desde que seu filho desapareceu, ela não perdeu as

esperanças e sempre esperou que poderia encontrá-lo vivo. Agora, no

entanto, dona Valdenice, bastante chocada, afirmou que sua vida não

será mais a mesma.

“Meu sentimento é

de tristeza. Meu filho era uma criança, como é que um demônio fez

isso com ele, não é gente não. Se eu ficasse frente a frente com

essa pessoa, não sei nem o que eu faria. Ele acabou com a minha

vida, com a vida do meu marido e com a vida da minha família toda.

Acabou com minha vida, acabou. Como é que eu vou ver meu filho

agora?”, declarou, em entrevista a jornalistas.

Ela também falou

como lidou durante esses cinco meses com o desaparecimento da

criança, e que conseguiu seguir a vida normal apenas com a fé em

Deus, além do apoio de parentes e amigos.

“Deus e meus

amigos me confortando durante esse tempo. Mesmo as pessoas jogando

pedra, dizendo que eu sabia onde meu filho tava, Deus me sustentou,

meus amigos me sustentaram. Agora chega essa tragédia, essa desgraça

dessa notícia. Como é que eu vou ver meu filho mais. Ele tinha tudo

pela frente, cheio de sonhos. Meu filho sonhava em ser advogado, aí

vem uma desgraça dessas… Acabou com o sonho do meu filho”,

lamentou dona Valdenice. 

"A partir de agora eu

quero Justiça. Porque se eu encontrar essa pessoa primeiro do que a

polícia, não vai dar certo não. Não tenho medo de ir pra cadeia.

Pelo meu filho eu mato e morro. Essa pessoa que fez isso não tem

Deus na vida dela, não merece viver”, completou.

Leia também:

MPPB entra com ação para obrigar prefeitura a dar abrigo a 239 famílias despejadas de condomínio

Mulher fica ferida após cair dentro de ônibus em João Pessoa

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play