Paraíba

Polícia Civil conclui que garçom forjou mensagens racistas enviadas à restaurante na PB

O garçom Gabriel Akhenaton poderá ser indiciado pela Polícia Civil por denunciação caluniosa, de acordo do artigo 339 do Código Penal Brasileiro

Publicado em 14/01/2021 16:24 Atualizado em 14/01/2021 16:43
logo
Por Redação Portal T5
Polícia Civil conclui que garçom forjou mensagens racistas enviadas à restaurante na PB

Após investigação, a Polícia Civil concluiu que o garçom Gabriel Akhenaton mentiu sobre os ataques racistas que ele teria sofrido de uma cliente da lanchonete em Campina Grande. O caso aconteceu em dezembro do ano passado.

Através de imagens do circuito de câmera do estabelecimento comercial, foi possível identificar que Gabriel se dirigiu ao banheiro com o aparelho celular na mão no momento que as mensagens foram enviadas. Ele ainda saiu do estabelecimento para responder às mensagens.

Nas mensagens enviadas para o restaurante, o garçom escreveu: Fui atendida por um rapaz de pele escura hoje. Eu acho que uma lanchonete do seu porte não deveria admitir isso. Isso é ruim. Mancha a imagem da sua lanchonete. Não é questão de racismo, é só que não sou obrigada a ser atendida por um negro. “Foi até um rapaz educado conosco, mas a cor dele não se nega, entende?”.

De acordo com informações da delegada Mairam Moura, também foi descoberto que o número de celular estava cadastrado no nome da mãe de Gabriel. Que ao ser ouvida, disse que não sabia da existência da linha.

Ainda segundo Mairam Moura, o garçom a procurou para tentar pôr fim ao caso. Contudo, ela seguiu com a investigação até concluir que ele foi o autor das mensagens racistas enviadas para o restaurante.

Agora, o garçom Gabriel Akhenaton poderá ser indiciado pela Polícia Civil por denunciação caluniosa, de acordo do artigo 339 do Código Penal Brasileiro.


icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play