Política

Mensagens indicam que Dallagnol incentivou investigação a Toffoli

Procuradores da Lava Jato estariam contrariados com as decisões do ministro do Supremo em relação à operação. Os novos vazamentos geraram reações do STF

Publicado em 02/08/2019 06:41 Atualizado em 18/11/2020 16:40
logo
Por Redação Portal T5
Mensagens indicam que Dallagnol incentivou investigação a Toffoli

Novas mensagens divulgadas pelo site 'The Intercept Brasil' indicam que o procurador Deltan Dallagnol, da Força-Tarefa da Lava Jato, incentivou a investigação do presidente do STF, ministro Dias Toffoli, e do escritório de advocacia da esposa dele, em 2016.

As conversas mostram que o procurador Deltan Dallagnol suspeitava que Dias Toffoli teria recebido alguma vantagem da empreiteira OAS, para reformar uma casa, e procurou informações em sigilo.

Em julho de 2016, no grupo intitulado como "Acordo OAS", Dallagnol pergunta: "Caros, a OAS trouxe a questão do apartamento do Toffoli?".

O procurador Sérgio Bruno Cabral Fernandes, responde: "Que eu saiba não. Temos que ver como abordar esse assunto. Com cautela".

Dias depois, Deltan Dallagnol recorre a Eduardo Pellela, chefe do gabinete do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para obter mais informações sobre Toffoli.

"Pelella, queria refletir em dados de inteligência para eventualmente alimentar vocês. Sei que o competente é o PGR (risos), mas, talvez, possa contribuir com vocês com alguma informação, acessando umas fontes. Você conseguiria, por favor, descobrir o endereço do apartamento do Toffoli que foi reformado?"

Eduardo Pellela, então, responde: "Foi casa. Consigo sim. Amanhã de manhã". Posteriormente, o assessor de Janot enviou a Deltan o endereço solicitado.

Em outra mensagem, Dallagnol pergunta sobre os recebimentos das esposas de Toffoli e do ministro Gilmar Mendes. "Tem uma conversa de que haveria recebimentos cruzados pelas esposas do Toffoli e Gilmar. Tem muita especulação. Temos a prova disso na nossa base? Você teve contato com isso?".

O procurador Orlando Martello, então, responde a Deltan que não tem as informações. "Não. Não tenho nada sobre isso"

Segundo o site 'The Intercept Brasil', as conversas vazadas sugerem que Deltan Dallagnol já havia pedido também à Receita Federal pesquisas sobre possíveis pagamentos da OAS.

Ministros do STF reagiram aos novos vazamentos

Na volta do recesso judiciário, nesta quinta-feira (01), os ministros do Supremo Tribunal Federal comentaram sobre as mensagens atribuídas a Deltan Dallagnol. 

O ministro Gilmar Mendes se referiu à publicações como "a maior crise que se abateu sobre o aparato do Brasil desde a redemocratização", e disse ainda que as mensagens revelam a criação de um Estado paralelo, com medidas sem autorização, e que as instituições precisam discutir a crise no judiciário.

"Tudo indica que a Receita Federal estava servindo de órgão de pistolagem para esse tipo de medida, quer dizer, imagine a insegurança que se produz. Agora, quando isso se faz com o presidente do Supremo Tribunal Federal, o que eles não serão capazes de fazer com o cidadão comum? Trapezista morre quando pensa que voa. Esta aí o resultado", argumentou Gilmar Mendes.

Ainda nesta quinta-feira, o ministro Alexandre de Moraes determinou a suspensão da investigação da Receita Federal sobre mais de cem contribuintes. Entre eles, Gilmar Mendes e a mulher do presidente do STF, Roberta Rangel. Além disso, mandou afastar dois servidores do órgão que atuaram na investigação.

No fim da tarde, o ministro Luiz Fux também proibiu a destruição das mensagens hackeadas, em decisão provisória, e determinou que seja encaminhada cópia para a Suprema Corte.

Suspeitos de Invasão permanecem presos

Na noite desta quinta-feira (01), o juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, decidiu converter as prisões dos quatros suspeitos de invadirem os celulares de autoridades - dentre eles, do ministro Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol - de temporárias para preventivas. 

As prisões temporárias têm duração máxima de dez dias e, no caso dos suspeitos, o prazo já havia expirado nesta quinta-feira. Com a conversão, as prisões preventivas de Walter Delgatti Neto, Gustavo Souza, Danilo Marques e Suelen Priscila de Oliveira, não têm prazo determinado de término.

Veja mais:

Jovem morre após ser atingido com tiro na cabeça durante partida de futebol em Santa Rita

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play