Paraíba

Justiça determina bloqueio em conta de administradores do Lagoa Shopping, em JP

A decisão foi deferida pela juíza titular da 8º Vara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), Renata Belmont

Publicado em 30/11/2018 21:09 Atualizado em 26/11/2020 03:01
logo
Por Redação Portal T5
Justiça determina bloqueio em conta de administradores do Lagoa Shopping, em JP

Foto: Reprodução / Google Street View

O Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) determinou o bloqueio de mais de R$ 100 mil na conta de duas empresas administradoras do 'Lagoa Shopping', que funciona no Centro de João Pessoa. A ação atende a um pedido de penhora, feito pelos lojistas do local para quitação de dívidas junto à Energisa. A decisão foi deferida pela juíza titular da 8º Vara Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), Renata Belmont.

Leia Mais: Justiça mantém prisão de Prefeito de Tavares após audiência de custódia, em JP

Em sua decisão, a magistrada ressaltou a excepcionalidade da medida de penhora, tendo em vista que os promovidos não cumpriram a decisão judicial, visto que foi comunicado ao Juízo de que o fornecimento de energia foi cortado, mesmo em plena vigência da tutela deferida pelo juiz plantonista Sérgio Moura Martins. 

Leia Mais: Secretaria faz B.O. após roubo de cabos da iluminação natalina, em João Pessoa

Segundo o Tribunal, o pedido de tutela de urgência, concedido em parte pelo juiz plantonista, foi feito pelos lojistas do Lagoa Shopping. O magistrado determinou que os locadores/locatários do imóvel se abstivessem de encerrar ou suspender o funcionamento do local.

Leia Mais: Homem morre e casal fica ferido após colisão entre motos, na Zona Sul de João Pessoa

O TJPB informou que contra a decisão, os administradores fizeram o pedido de reconsideração nº 0865143-90.2018.815.2001, alegando: impossibilidade de intervenção do Poder Judiciário na gestão de empresas privadas; inexistência de caixa ou reserva suficiente para manter o funcionamento do local, ante a alto índice de inadimplência dos sublocatários; desnecessidade de propositura de Ação de Despejo para desocupação das lojas.

Leia Mais: Na Paraíba, amigas que se conheceram pela internet arrecadam alimentos para doação

A juíza Renata Belmont esclareceu que o relacionamento jurídico entre os lojistas e os representantes do empreendimento não se trata de simples relação empresarial privada e que não há limites para a atuação judiciária quando se discute legalidade, cláusulas contratuais, abusividade e outros temas.

Afirmou, também, que as partes possuem, entre si, relações locatícias e sublocatícias e que ao contrato de locação em ‘shopping center’ é aplicado a Lei de Locação (8.245/91), o Código Civil e, até mesmo, o Código de Defesa do Consumidor (CDC/ Lei nº 8.078/90).

Em conformidade com a decisão do juiz Sérgio Moura Martins, que considerou como abusiva e sem qualquer respaldo legal a conduta dos locadores, a magistrada também entendeu que somente em caso de descumprimento das obrigações pactuadas pelos lojistas, a retomada do imóvel pode ser pretendida, se necessário, mediante, inclusive, de Ação de Despejo em caso de resistência. 

“Na hipótese dos autos, os autores em dia com suas obrigações contratuais possuem legitimidade para exigir o cumprimento do Termo de Acordo de Sublocação de Lojas, na sua integralidade, competindo aos administradores e a toda cadeia de envolvidos no empreendimento manter as condições do negócio tal como pactuado”, asseverou Renata Belmont.

Sobre a alegada falta de recursos, a juíza afirmou que esta não se deu por culpa dos comerciantes que atualmente lá se encontram, mas, em tese, por falta de gestão adequada do administrador do shopping

A relação contratual locatícia e sublocatícia

Segundo o TJPB, a proprietária do imóvel comercial, NDR Participações e Empreendimentos Ltda, firmou contrato de locação com a Sidon Empreendimentos Imobiliários, com cláusula de sublocação. Esta, por sua vez, sublocou o imóvel para o Lagoa Shopping Gestão e Administração da Propriedade Imobiliária Eireli, com o objetivo exclusivo de edificação e administração de empreendimento imobiliário do tipo ‘shopping center’. 

A documentação dos autos demonstra que houve regularidade nos contratos de locação firmados com os lojistas, com vigência até 2026, com a responsabilidade dos administradores em manter o empreendimento em funcionamento.

Na última relação contratual (Sindon – Lagoa Shopping), verifica-se a existência de cláusula que prevê a possibilidade da Sindon assumir a função de administrador do shopping, substituir o sublocatário, e/ou nomear terceiros para fazê-lo. 

Há, ainda, uma segunda sublocação, entre o Lagoa Shpping e os lojistas (e autores da demanda), a fim de regulamentar o uso do espaço comercial de cada negócio aberto no empreendimento.

Decisões 

Além de manter o funcionamento do shopping, o magistrado plantonista determinou que os contratos de locação celebrados com os lojistas fossem cumpridos na íntegra e fixou multa diária no valor de R$ 10 mil, até o limite de um milhão, em caso de descumprimento. Também impôs que os aluguéis e outros valores devidos pelos autores (lojistas) decorrentes de locação fossem depositados em conta judicial, observando a data de vencimento e demais cláusulas pertinentes.

A magistrada, por sua vez, lembrou que a multa pode ser alterada em sua periodicidade ou valor, com majoração ou minoração, a fim de garantir o cumprimento da medida. 

Sobre a determinação do depósito judicial de aluguéis em conta vinculada ao Juízo, Renata Belmont entendeu não ser a melhor política para a manutenção do empreendimento, devido à burocracia, ante a expedição constante de alvará judicial. Determinou, assim, a intimação dos dois primeiros demandados (Lagoa Shopping e Sidon), para que, no prazo de cinco dias, indiquem aos lojistas quem assumirá a administração do empreendimento, o qual passará a geri-lo, inclusive com a responsabilidade de receber os alugueis até nova deliberação.

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play