Brasil

Juíza quer internação de mãe que jogou filha pela janela de prédio

Com a queda amortecida por um carro no estacionamento do prédio, a criança teve ferimentos leves e teve alta na semana passada

Publicado em 03/06/2019 20:30
logo
Por Redação Portal T5
Juíza quer internação de mãe que jogou filha pela janela de prédio

Foto: Divulgação / Polícia Civil

A Justiça recebeu denúncia do Ministério Pública contra a universitária, 29 anos, acusada de arremessar a filha de 3 anos pela janela do quinto andar e, após tentar atear fogo no apartamento onde morava na zona oeste, também se jogou, no último dia 24.

Agora, a estudante, que continua internada no Hospital das Clínicas fora de risco de morte, se tornou ré na ação. 

Com a queda amortecida por um carro no estacionamento do prédio, a criança teve ferimentos leves e teve alta na semana passada.

A juíza Giovanna Christina Colares, da 5ª Vara do Júri do Fórum Criminal Central, na Barra Funda (zona oeste), na decisão da última sexta-feira (31) e que ainda não foi publicada, determinou a instauração de incidente de insanidade mental da mãe. "Há fundadas dúvidas a respeito de sua integridade mental", descreve. O exame ocorre no prazo de 45 dias.

Além disso, a magistrada revogou a prisão cautelar preventiva e aplicou a medida de internação provisória. Ou seja, na prática, determinou a transferência da universitária para "hospital de tratamento e custódia, ou, à falta, vaga em outro estabelecimento adequado".

Outra possibilidade, segundo a juíza, é que a família coloque a universitária em hospital particular especializado na área. O prazo dado é de 72 horas, contado a partir da publicação oficial da sentença, que, segundo cartório, será nesta quinta-feira (6). Neste caso, se findará dia 11 de junho.

O advogado da ré, Naldo Canuto Fernandes, que é tio por parte de mãe da universitária e reside em Manaus (AM), diz que a família faz, neste momento, a cotação de clínicas especializadas na área de saúde mental.

No entanto, a universitária só será transferida para unidade de saúde particular quando tiver alta do Hospital das Clínicas. "Ela ainda tem algumas cirurgias agendadas. Ela teve lesões sérias nas costas, pés e mãos", diz o advogado. A assessoria de imprensa do HC se limitou a dizer que "a paciente está estável no quarto".

Na denúncia, o promotor criminal Rogério Leão Zagallo afirma que a universitária, com propósito de matar sua filha, arremessou-a pela janela do apartamento. "Assim agindo, a denunciada deu início à execução de um crime de homicídio, o qual somente não se consumou por circunstâncias alheias à sua vontade, a saber, o fato de ter sido amortecida a queda da vítima, uma vez que ela caiu sobre o vidro frontal de um veículo".

Para o representante do MP, o crime foi praticado com utilização de recurso que dificultou a defesa da vítima criança. A mulher ainda ateou fogo nas cortinas do apartamento, que foi controlado pelos policiais militares que foram chamados para negociação. 

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play