Política

Congresso derruba veto e desoneração da folha é prorrogada: veja como votou bancada paraibana

Desoneração foi aprovada em junho para 17 setores, que geram mais de 6 milhões de empregos, mas presidente vetou, o que foi revertido nesta quarta-feira (4)

Publicado em 04/11/2020 18:00 Atualizado em 12/12/2020 05:08
logo
Por Redação Portal T5
Congresso derruba veto e desoneração da folha é prorrogada: veja como votou bancada paraibana

Foto: Fernanda Sette/TV Tambaú

O presidente do senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) marcou para esta quarta-feira (4) a análise do veto do presidente Jair Bolsonaro à prorrogação da desoneração da folha de pagamento. Os senadores aprovaram a medida por 64 votos a 2 e deve ser prorrogado até 2021 a desoneração da folha de pagamentos de empresas de 17 setores da economia.

Empresas de 17 setores estratégicos, responsáveis por 6 milhões de empregos diretos, seriam afetadas caso a desoneração não fosse prorrogada. Na prática, a desoneração substitui a contribuição previdenciária de 20% sobre a folha de pagamento por uma taxa que varia de 1% a 4,5% da receita bruta, medida que reduz o custo da contratação e manutenção de funcionários.

De acordo com a regra que vale hoje, se o faturamento da empresa crescer também aumenta o valor recolhido de imposto para o governo. A desoneração da folha de pagamento terminaria em dezembro de 2020, mas deve valer por mais um ano. Deputados e senadores já tinham aprovado prolongar a medida por mais um ano para evitar mais demissões durante a crise, no entanto, o presidente Jair Bolsonaro vetou. O veto foi derrrubado nesta quarta-feira (4).

Líderes da maioria dos partidos fizeram um acordo para derrubar o veto no congresso nacional. O governo conseguiu adiar a votação do veto várias vezes. Partidos que defendem a desoneração reclamam da falta de empenho do Palácio do Planalto para garantir a votação ainda nesta semana senador.

A bancada paraibana no congresso votou pela derrubada do voto com unanimidade. Dos que compareceram à sessão, todos votaram pela prorrogação da desoneração. Aguinaldo Ribeiro (PP) Não; Damião Feliciano (PDT) Não; Edna Henrique (PSDB) Não; Efraim Filho (DEM) Não; Frei Anastácio (PT) Não; Gervásio Maia (PSB) Não; Hugo Motta (Republicanos) Não; Julian Lemos (PSL) Não; Pedro Cunha Lima (PSDB) Não; Ruy Carneiro (PSDB) Não; Wilson Santiago (PTB) Não.

Segmentos se manifestam

Representantes de alguns desses 17 segmentos afirmam que teriam que fechar postos de trabalho caso o veto não fosse derrubado. Eles dizem que não haveria como arcar com o aumento da carga tributária diante das dificuldades econômicas agravadas pela pandemia.

Na Paraíba, setores da Construção Civil e Tecnologia da Informação informaram que a derrubada do veto foi fundamental para a manutenção e geração de novos empregos. José Williams Montenegro, presidente do Sindicato da Indústria da Construção e do Mobiliário do Estado da Paraíba (Sinduscon-PB), falou sobre o caso.

"Em um momento como esse, arcar com o ônus enorme que seria o fim dessa desoneração não se concebe de maneira nenhuma. A construção civil é o setor que mais emprega no país, é um setor de mão de obra extremamente intensiva, emprega rapidamente, tem uma capilaridade enorme. Cada emprego na construção civil gera 5 ou 6 outros empregos diretos em outros segmentos da economia, ela chega mexer com 97 setores da indústria de comércio e serviços, então não se concebe de maneira nenhuma. Apelamos para que isso não passe de maneira nenhuma e o congresso tome as providências providências devidas", disse José Williams.

Outro setor que se mobilizou junto a outras associações estaduais de diferentes setores na construção e entrega de um ofício a favor do veto em Brasília foi o de Tecnologia da Informação. Rodrigo Inhalt, diretor da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação seccional Paraíba e Pernambuco (Assespro - PB/PE), classificou a não derrubada do veto como uma catástrofe em um momento que já é delicado.

"A gente entende como inadiável. Fica muito claro se não houver essa derrubada temos que tomar decisões antes de virar o ano sobre rescisão, porque senão você deixa de usar a desoneração e passa a trabalhar em cima de 20% a partir de Janeiro e essa diferença é algo que pesa muito na folha das empresas. De acordo com as conversas que temos feito com a nossa assessoria em Brasília é que temos grandes chances de haver a derrubada desse veto. A gente imagina que isso é essencial, inadiável, se isso não ocorrer realmente é uma catástrofe, porque vai ter uma série de demissões para um setor que conseguiu estabilidade em um ano tão difícil, devido à covid-19. Essa catástrofe não será só para gente de T.I. mas para todos os segmentos", afirmou Rodrigo.

Leia também: Candidato a vereador evangélico é flagrado masturbando homem em banheiro e vídeo viraliza

Polícia Civil apreende 28 kg de cocaína pura e 17 kg de maconha, na Zona Sul de João Pessoa

Ministério Público apura se negligência causou morte de idoso logo após alta no 'Trauminha'

Congresso derruba veto e desoneração da folha é prorrogada: veja como votou bancada paraibana

Contratos de escolas particulares devem prever cenários da pandemia para 2021

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play