Polícia

Após um ano de explosão no PB1, mais de 20 presidiários continuam foragidos

Penitenciária também é lugar de superlotação e ataques de criminosos

Publicado em 09/09/2019 10:27 Atualizado em 18/11/2020 12:16
logo
Por Redação Portal T5
Após um ano de explosão no PB1, mais de 20 presidiários continuam foragidos

Foto: Reprodução/TV Tambaú

Na madrugada de 10 de setembro de 2018, a Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, o PB1, foi alvo de um ataque que chamou atenção pela fragilidade da segurança pública na Paraíba. O episódio foi destaque em noticiários nacionais e após um ano ainda é carente de explicações.

Durante a explosão de uma das portas da penitenciária de João Pessoa, mais de 90 homens detidos fugiram das celas e após um ano, 21 presidiários continuam foragidos.

+ Receita Federal libera consulta ao 4º lote do Imposto de Renda nesta segunda (9)

De acordo com informações da Polícia Militar, cerca de 20 homens, em quatro

veículos chegaram na frente do presídio nas primeiras horas daquela segunda-feira e dispararam diversas vezes contra as guaritas, o alojamento e

o portão principal. Investigações apontam que havia grande quantidade de armamento, inclusive

fuzis ponto 50, que tem capacidade de perfurar paredes.

Os criminosos se aproximaram do portão e utilizaram explosivos para invasão da penitenciária. Os homens tiveram acesso à unidade e com o uso de um alicate conseguiram arrombar os cadeados para libertar Romário Gomes Silveira, alvo do resgate e suspeito de explosões a agências bancários e

carros-forte. 

À época 10 pessoas foram presas em um flat na orla de João Pessoa. Entre os detidos, cinco homens foram encaminhados ao presídio e cinco mulheres foram liberadas. 

No mês de abril, uma das guaritas do presídio foi alvo de tiros. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), os tiros foram disparados próximo a uma região de mata e ninguém foi preso. Confira a reportagem: PB1 é alvo de tiros durante ação de criminosos, em João Pessoa

Em nota, a Secretaria da Segurança e da Defesa Social informou que a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e a Polícia Civil estão em força tarefa para continuidade das investigações do caso e detalhes sobre as ações permanecem em sigilo para proteção de informações. 

Superlotação - A Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes foi inaugurada em julho de 2008, com capacidade de receber 644 detidos, mas atualmente constam 637 pessoas em regime fechado e 70 detidos em regime provisório, totalizando 707 encarcerados, de acordo com o Ministério Público da Paraíba.

Veja mais:

Policial militar é morto com tiro na cabeça durante ocorrência em Campina Grande

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play