Paraíba

Agevisa-PB divulga recomendação do MP desfavorável ao uso da hidroxocloroquina

A recomendação é desfavorável à prescrição de medicações off label, que é aquela que o médico toma por por conta própria, a decisão de indicar o medicamento para tratamento da Covid-19.

Publicado em 11/07/2020 07:45 Atualizado em 26/11/2020 18:08
logo
Por Redação Portal T5
 Agevisa-PB divulga recomendação do MP desfavorável ao uso da hidroxocloroquina

Foto: André Rodrigues/Governo do Amapá

A Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa-PB) encaminhou documento às Vigilâncias Sanitárias municipais destacando a recomendação conjunta do Ministério Público do Estado da Paraíba (MPPB) e do Ministério Público Federal (MPF), desfavorável à prescrição de medicações off label para tratamento de pacientes com Covid-19. A prescrição off label é aquela em que o médico toma, por sua própria conta e risco, a decisão de indicar ao paciente o uso de medicamentos não homologados para o tratamento da doença da qual o mesmo é portador.

Final do campeonato carioca, entre Flamengo e Fluminense, terá transmissão do SBT

No documento, os órgãos recomendam ao Estado e aos municípios paraibanos a orientarem os profissionais médicos dos serviços públicos de saúde quanto às consequências clínicas e jurídicas relativas à eventual prescrição de medicações, cuja eficácia não esteja comprovada para o tratamento da Covid-19, garantindo também o direito de informação dos consumidores, a fim de que sejam tomadas decisões esclarecidas e conscienciosas no tratamento da doença. Os mesmos procedimentos se aplicam aos serviços de assistência à saúde da rede privada.

 + Projetos na UFPB capacitam feirantes para higienização de alimentos

A iniciativa levou em consideração, dentre outros pontos, o fato de que as pesquisas que abordam o uso da hidroxocloroquina e da cloroquina no tratamento de rotina da Covid-19 ainda estão em vias de desenvolvimento, assim como a posição consensual expressa nas Diretrizes para o Tratamento Farmacológico da Covid-19 (publicada pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira, pela Sociedade Brasileira de Infectologia e pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), onde consta recomendação contrária ao uso de rotina da hidroxocloroquina ou cloroquina para pacientes de Covid-19, bem como informações de que tais medicamentos representam risco moderado de problemas cardiovasculares nos pacientes, como arritmia, por exemplo.

 + Como ficam as cidades da região metropolitana após o anúncio de flexibilização em João Pessoa?

No documento do Ministério Público há também referência do Conselho Federal de Medicina, que considera o uso da cloroquina e da hidroxocloroquina, para o tratamento da Covid-19, uma alternativa “a critério do médico, em decisão compartilhada com o paciente, obrigando-se a informar que não existe até o momento comprovação científica do benefício do uso da droga para este fim, explicando os efeitos colaterais possíveis e obtendo o consentimento livre esclarecido do paciente”.

Orientação à população em geral 

A recomendação contempla ainda orientação à população paraibana, de modo geral, para que, ao consultar profissionais médicos acerca dos tratamentos disponíveis relacionados à Covid-19, antes de se submeter a eles, busque todas as informações possíveis, indagando os profissionais inclusive sobre riscos e efeitos adversos advindos de tais tratamentos, para que sejam tomadas as melhores decisões para os casos particulares, em manifestação livre e consentida de vontade dos pacientes.

Leia também:

PM recupera carro clonado e com restrição de roubo, em Lucena

icon whatsapp
Receba as últimas notícias de João Pessoa em qualquer lugar. Começar icone Play