terça-feira, 01 de dezembro de 2020
Busca

Política

Política

Caaporã, Pitimbu e Alhandra não devem exonerar nem transferir servidores, recomenda MPPB

A medida foi recomendada pela promotora de Justiça da 73ª Zona Eleitoral, Miriam Vasconcelos

Por Carlos Rocha

18h45 - Atualizado 03/09/2020 às 18h28
Foto: Reprodução/Internet

Os prefeitos dos municípios de Caaporã, Pitimbu e Alhandra devem se abster de autorizar ou promover a exoneração e/ou transferência de servidores municipais, sob pena de aplicação de multa aos responsáveis pela prática do ato, das sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa e da eventual responsabilização criminal. A medida foi recomendada pela promotora de Justiça da 73ª Zona Eleitoral, Miriam Vasconcelos.

PM apreende drogas, duas espingardas 12 e farda militar em comunidade de João Pessoa

A recomendação ministerial diz também que os três prefeitos devem promover, de imediato, a anulação de todo e qualquer ato administrativo de exoneração ou transferência que porventura já tenha sido praticado, determinando o retorno de todos os servidores às suas atividades.

Veículo tomado por assalto é recuperado pela PRF-PB após cerco, em João Pessoa

De acordo com a representante do Ministério Público, o artigo 73, inciso V, da Lei 9.504/1997 proíbe aos agentes públicos, servidores ou não, condutas que possam afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais, como a nomeação; contratação ou qualquer forma de admissão; a demissão sem justa causa; bem como a remoção; transferência ou exoneração de servidor público, nos três meses que antecedem a eleição até a posse dos eleitos, sob pena de nulidade.

PRF-PB apreende cerca de 8 kg de maconha que vinha de Recife, na BR-101

Miriam Vasconcelos também destacou que todo e qualquer ato de exoneração e transferência, mesmo os permitidos dentro do prazo anterior aos três meses da eleição (que terminou no último dia 15 de agosto), deverá ser motivado de forma a afastar a imputação de perseguição política, salvo se for a pedido do próprio servidor. “O dispositivo legal regulamenta os poderes dos agentes públicos referentes à relação de trabalho, de modo a impedir que a escolha político-partidária dos servidores públicos lato senso seja fator propulsor de perseguições ou concessões de vantagens indevidas”, explicou a promotora eleitoral.

Homem baleado dirige cerca de 4 km após atentado em oficina mecânica em JP

Além dos prefeitos, cópia da recomendação também foi enviada aos chefes das Câmaras de Vereadores dos três municípios.

UFPB: projeto abre inscrições para aulões on-line e gratuitos para o Enem

Procurador-geral da UFPB sugere anulação das eleições após denúncias

Sérgio Meira renuncia à presidência do Botafogo-PB; saiba mais

Leia também: Foragido por estupro é recapturado ao ser flagrado com 11 cabras em um automóvel, na PB

Siga o Instagram Facebook do Portal T5 e fique bem informado!

Adicione o WhatsApp do Portal T5: (83) 9 9142-9330.