quarta-feira, 22 de janeiro de 2020
Busca

Política

Política

Delação: Livânia afirma que João Azevêdo recebia propina de R$ 120 mil por mês

Trecho da delação foi divulgado na manhã desta segunda-feira (13)

Por Redação Portal T5

08h33 - Atualizado 13/01/2020 às 09h24
Foto: Francisco França

Livânia Farias, ex-secretária de Administração da Paraíba, delatou a suposta mesada de R$ 120 mil recebida pelo governador João Azevedo (sem partido) durante as eleições de 2018. O dinheiro era pago pela Cruz Vermelha, que administrava o Hospital de Trauma de João Pessoa. O trecho da delação foi publicado pelo Estado de São Paulo nesta segunda-feira (13).

Ao jornal, a assessoria de João Azevêdo disse que as despesas da pré-campanha e da campanha se deram de forma lícita e transparente, de modo que se terceiros se valeram desse pretexto para a prática de ilícitos eles é que terão de responder. E afirmou que em face das medidas de combate à corrupção e do afastamento de secretários envolvidos na Operação Calvário, já se esperava que o governador poderia ser vítima de retaliação dos que foram afastados.

Foto: Reprodução/ YouTube

Segundo Livânia, o político não apenas sabia que o dinheiro vinha de contratos da Saúde, como também chegou também a usá-lo para bancar despesas de seus parentes. Ela cita o suposto envolvimento do governador com corrupção de fiscais em obras de esgoto e também outros repasses de R$ 900 mil pagar fornecedores de campanha.

“Após o afastamento dele [João] para ser candidato, eu fui chamada pelo atual governador da época, o Ricardo Coutinho, para que eu providenciasse um valor para ser repassado para o candidato, para o João Azevedo, e esse valor para que ele pagasse as despesas de campanha, ele ia andar o Estado todo. E como não era secretário e não tinha salário, teria que se fazer com que ele se sustentasse”, disse a ex-secretária também investigada.

Livânia disse ainda sobre o acerto de valores com Coutinho. “E aí eu fui e disse a ele [Coutinho]: quanto é esse valor? Ele disse: entre 100, 150. Eu disse: 120 tá bom? Ele disse: É, tá bom. 120. Eu disse: ó, esse dinheiro só tem para sair da Cruz Vermelha, porque é o que a gente recebe mensal. Apesar de ele atrasar, mas, quando ele atrasa um mês, como o valor que ele paga é superior, a gente guarda e já passa no outro mês que é pra entregar… Eu vou entregar a quem?”.

Parentes e cargos

Segundo Livânia, os repasses seriam feitos a Deusdete Queiroga, atual secretário de Infraestrutura, por meio de Leandro Azevedo, assessor da então secretária – hoje, também delator -, e teriam ocorrido entre abril e o final de julho.

Em seguida, João Azevedo teria demonstrado a preocupação de não ser acusado de nepotismo durante a campanha. Livânia afirma que ele pediu para exonerar sua nora, que trabalhava na vigilância sanitária e sua cunhada, que estava na Superintendência de Administração do Meio Ambiente da Paraíba. A nora ganhava R$ 3,8 mil e a cunhada R$ 6 mil.

“O que a gente fazia. separava o dinheiro, colocava no envelope e entregava a ele. Eu pessoalmente entreguei o dinheiro a ele. Tá aqui, esse é o salário, aí você repassa. Ele colocou dentro da pasta dele”, disse.

Caixa dois

A ex-secretária também menciona que, durante a campanha, os fornecedores também foram pagos com dinheiro da Cruz Vermelha, no valor de R$ 900 mil, e que  ‘alguns fornecedores já haviam recebido o pagamento através do montante que se tinha em caixa’ O governador teria dito que o valor seria ‘suficiente’.

Fiscais

Também é mencionada uma suposta propina a fiscais que se recusavam a assinar uma adutora, na região de Patos, na Paraíba. A tratativa teria sido resolvida com repasse de R$ 300 mil, também do caixa da Cruz Vermelha.

De acordo com Livânia, no período de transição para seu governo, João Azevedo teria demonstrado preocupação e a vontade de romper com as organizações de saúde que geriam hospitais na Paraíba. Ela, então, o teria alertado.

Pé no acelerador

“Eu disse: João, eu vou informar uma coisa. Aqueles R$ 120 mil que você recebia mensalmente, que Deusdete recebia, foi a Cruz Vermelha que deu”, relata Livania, que também diz ter mencionado os outros repasses para a campanha e os fiscais ao governador eleito.

“Então, assim, não aperta muito o pé no acelerador não porque foi na sua campanha. Não foi pra trás não. Eu não to aqui pra defender OS. Eu quero dizer que tem isso. E você escuta muito o que tem de fora, mas tem que escutar o que acontece”, relatou.

Com informações do Estadão