quinta-feira, 23 de janeiro de 2020
Busca

Política

Política

Após negar, Irã admite ter derrubado avião ucraniano por engano

O comunicado lido na emissora declara que os responsáveis serão punidos

Por Redação Portal T5

15h39 - Atualizado 11/01/2020 às 17h06
Aviao ira
Aviao ira

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Irã admitiu que o avião ucraniano que caiu em seu território na última quarta-feira (8) foi derrubado por erro humano, afirmou a TV estatal iraniana neste sábado (11).

 O comunicado lido na emissora declara que os responsáveis serão punidos. Todas as 176 pessoas a bordo morreram. "A República Islâmica do Irã lamenta profundamente esse erro desastroso", escreveu o presidente iraniano, Hasan Rowhani, no Twitter. "Meus pensamentos e orações vão para todas as famílias de luto." Ele reiterou que os responsáveis pelo incidente serão processados. O chanceler iraniano, Javad Zarif, lamentou o erro em uma rede social, mas culpou os Estados Unidos pelo estado de tensão. "O erro humano, em um momento de crise causada pelo aventureirismo americano, levou a um desastre."

Em comunicado, a Guarda Revolucionária do Irã disse, na primeira mudança de posição do país sobre o acidente, que o avião havia voado perto de um local militar sensível. Segundo a agência de notícias local Fars, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, a principal autoridade da República Islâmica, foi informado sobre a derrubada acidental do avião ucraniano na sexta-feira (10) e disse que as informações deveriam ser anunciadas publicamente após uma reunião do principal órgão de segurança do Irã.

Leia também: 

Sucesso nas rádios, Gusttavo Lima diz que quer 'sair da bolha' ao investir na bachata

 Neste sábado, o comandante da seção aeroespacial da Guarda Revolucionária iraniana, general Amir Ali Hajizadeh, assumiu a culpa pelo erro em uma declaração à TV estatal. "Preferiria estar morto a testemunhar um acidente semelhante", afirmou. O comandante disse que o avião foi confundido com um míssil de cruzeiro (armamento guiado remotamente para liberar ogivas a longas distâncias) e abatido por um míssil de curto alcance. Ele também afirmou que o soldado efetuou o disparo sem ordem por causa de uma interferência nas telecomunicações.

Após a divulgação das informações, centenas manifestantes reuniram-se em frente à Universidade Amir Kabir, em Teerã, pedindo a renúncia do aiatolá Khamenei. "Comandante-em-chefe, renuncie, renuncie", eram os versos cantados no protesto, reprimido pela polícia com gás lacrimogêneo. Segundo a agência Reuters, ainda não foi possível verificar a veracidade do vídeo. A Ucrânia espera uma investigação completa, uma admissão total de culpa e compensação do Irã após a queda de um avião de passageiros ucraniano, disse o presidente Volodimir Zelenski em comunicado.

Leia também: 

Meghan Markle assina contrato com a Disney e doa cachê para causa beneficente

No acidente, o Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines caiu cinco minutos após decolar do aeroporto Imam Khomeini, em Teerã. A aeronave, que decolou às 6h12 na hora local (23h42 de terça em Brasília) e seguia para Kiev, pegou fogo minutos após a decolagem. Os governos do Canadá e do Reino Unido, assim como funcionários da inteligência dos EUA, já haviam dito ter informações que indicam que o voo foi derrubado por um míssil iraniano de forma acidental. Essa possibilidade vinha sendo negada pelo governo iraniano.

O New York Times também divulgou um vídeo que aparentemente mostra um míssil atingindo a aeronave sobre Parand, região próxima ao aeroporto de Teerã onde o avião transmitiu sinais pela última vez. O jornal afirma ter verificado o material. Na sexta, o Irã afirmou que pretendia fazer a extração dos registros das caixas-pretas no país, a não ser que encontrasse dificuldades técnicas. "Nós preferimos retirar os dados das caixas-pretas no Irã. Mas se virmos que não vamos conseguir porque as caixas estão danificadas, então vamos pedir ajuda", disse Ali Abedzadeh, chefe da autoridade de aviação civil do Irã. A ajuda na investigação poderia ser solicitada para a Rússia, o Canadá, a França ou a Ucrânia, segundo ele.

Leia também:

Mais de 1 bilhão de animais já foram mortos em incêndios na Austrália, diz professor

O governo do Irã afirmou que os países que perderam cidadãos no acidente poderão enviar representantes para participar das investigações, assim como representantes da Boeing. Entre as 176 vítimas, havia 82 iranianos, 63 canadenses e 11 ucranianos. Boa parte dos passageiros faria uma conexão para um voo com destino ao Canadá. A retirada dos dados pode levar um ou dois meses, e o resultado final da investigação, até dois anos, segundo Abedzadeh.

 A apuração das causas de acidentes aéreos costuma levar vários meses. Ainda na sexta, a Rússia saiu em defesa do Irã e apontou não ver elementos para culpar o país pela queda. O vice-chanceler Sergei Ryabkov afirmou que os líderes de outros países deveriam evitar novas declarações até que mais detalhes sejam apurados.

No mesmo dia, o chanceler da Holanda, Stef Blok, disse considerar que há grandes chances de que a queda tenha sido causada por mísseis iranianos. A Ucrânia disse priorizar as possibilidades de ataque com míssil e terrorismo como causas da queda, mas que ambas ainda precisam de confirmação. No fim do dia, o ministro do Exterior iraniano, Vadym Prystaiko, informou à rede CNN que o país investiga a possibilidade de uma bomba ter sido plantada no avião. Ele suspeita dessa hipótese pelo fato de o voo ter atrasado para sair do aeroporto de Teerã e porque algumas malas não foram carregadas na aeronave.

Os Estados Unidos ofereceram ajuda à Ucrânia nas investigações, mas também defenderam que seja feita uma investigação independente. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que o país acredita que o avião foi derrubado por um míssil iraniano, mas que isso ainda precisa ser comprovado pela investigação.

 Na quinta (9), funcionários de Inteligência dos EUA haviam revelado essa informação, sob condição de anonimato. Após a queda, diversas companhias aéreas cancelaram seus voos para Teerã ou passaram a desviar suas rotas para não sobrevoar Irã e Iraque. Entre elas, estão Lufthansa, Malaysia Airlines, KLM Air France, e Qantas.

Leia também:

Microsoft deixa de atualizar Windows 7 na próxima semana

PERGUNTAS E RESPOSTAS O que ocorreu? Um Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines caiu cinco minutos após decolar do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerã, na manhã de quarta (8). Todas as 176 pessoas a bordo morreram.

Por que o avião caiu? Segundo declaração do chefe da seção aeroespecial da Guarda Revolucionária do Irã, Amir Ali Hajizadeh, o avião foi abatido por um míssil de curto alcance. Antes, o Irã havia negado as acusações e dito que a informação era parte de uma "guerra psicológica" contra o país.

Foi proposital? Não. De acordo com Hajizadeh, o avião foi confundido com um míssil de cruzeiro, armamento utilizado para liberar ogivas em longas distâncias, e, por isso, foi erroneamente abatido. A informação havia sido considerada antes por agentes dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido.

Quais as evidências já apresentadas? Um vídeo divulgado na noite desta quinta (9) pelo New York Times mostra, aparentemente, um míssil atingindo a aeronave sobre Parand, região próxima ao aeroporto de Teerã onde o avião transmitiu sinais pela última vez.

Qual é o tipo do míssil? Em declaração à TV estatal iraniana, o general Hajizadeh confirmou que foi utilizado um míssil de curto alcance. Segundo Canadá e Reino Unido, seria um terra-ar iraniano de origem russa.

Quem vai investigar a queda? O comitê de investigação de acidentes aéreos no Irã. Mas o porta-voz do governo iraniano, Ali Rabiei, disse em comunicado que os países cujos cidadãos estavam no avião podem enviar representantes e solicita que a Boeing envie representantes para se juntarem à investigação da caixa-preta.

Pastores brasileiros são presos em Portugal por tráfico de pessoas

Sente vontade de apertar e morder bebês fofos? Estudo explica o porquê

Leia também: Santuário de elefantes publica 'Antes e Depois' de Lady e evolução impressiona; veja

Siga nosso Instagram Facebook e fique bem informado! 

Adicione o WhatsApp do Portal T5: (83) 9 9142-9330.