Paraíba, terça-feira, 15 de outubro de 2019
30° C
Busca

Política

Política

Em nota, PT da Paraíba critica prisão de vereador: "Desnecessária"

A presidente afirmou ver com "estranheza" a prisão preventiva do parlamentar

Por Carlos Rocha

22h39

O presidência estadual do Partido dos Trabalhadores na Paraíba lançou nota na noite desta segunda-feira (6) criticando a prisão do vereador Ednaldo Barbosa da Silva, mais conhecido como "Naldo do Cell". O presidente afirmou ver com "estranheza" a prisão preventiva do parlamentar.

O vereador da cidade de Conde, no Litoral Sul da Paraíba, foi preso após uma ação da Polícia Civil da Paraíba e do Ministério Público da Paraíba (MPPB). A Operação "Cavalo de Tróia" foi deflagrada na tarde desta segunda-feira (6).

As investigações apontam que ele é suspeito de participar de um esquema de corrupção envolvendo a devolução de salários pagos a assessores de parlamentares contratados sem concurso público.

NOTA

A presidência estadual do Partido dos Trabalhadores – PT da Paraíba vem, de público, manifestar sua estranheza quanto à prisão do vereador Ednaldo Barbosa da Silva , conhecido como “Naldocell”, realizada pela Polícia Civil da Paraíba,  através da Operação “Cavalo de Tróia”.

O PT entende a prisão como totalmente desnecessária, visto que o vereador, pego de surpresa com o ato, sempre se colocou à disposição das autoridades que conduzem as investigações da operação para prestar esclarecimentos sobre os fatos arrolados, nunca tendo contribuído para travar o desenrolar do processo.

Ao mesmo tempo, lamentamos a espetacularização da prisão, ocorrida em plena sessão da Câmara Municipal do Conde, com vazamento seletivo para segmentos da mídia. Este tipo de ação faz parte do rol de procedimentos típicos de um estado de exceção, que vem se generalizando no país, com a tentativa de desmoralização do poder legislativo, da atividade política e da democracia.

Por último, o partido propugna pela realização de uma investigação séria e rigorosa, dentro dos limites da lei, garantindo o devido processo legal e a presunção da inocência.