Paraíba, quarta-feira, 22 de maio de 2019
30° C
Busca

Política

Política

Operação Calvário: Presidente da ALPB diz que decisão da secretária se pronunciar é “pessoal”

A operação investiga núcleos de uma organização criminosa que é responsável por desvio de recursos públicos, corrupção, lavagem de dinheiro e peculato.

Por Redação Portal T5

13h03
ALPB

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, comentou, nesta quinta-feira (14), a terceira fase da Operação Calvário, deflagrada pelo Ministério Público da Paraíba, através do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco/MPPB) e Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade e à Improbidade Administrativa (Ccrimp).

A operação investiga núcleos de uma organização criminosa comandada por Daniel Gomes da Silva, que é responsável por desvio de recursos públicos, corrupção, lavagem de dinheiro e peculato, através de contratos firmados junto a unidades de saúde do Estado, com valores chegando a R$ 1,1 bilhão, possuindo atuação em outras unidades da federação, e exemplo do Rio de Janeiro.

Um dos alvos da operação é Livânia Farias, secretaria de administração do governo da Paraíba. Adriano Galdino foi questionado quanto ao fato da secretaria se pronunciar sobre o assunto. Mas para ele, trata-se de uma decisão pessoal.

“É uma decisão pessoal dela. Eu não vou aqui adentrar essa situação. Nós temos um órgão conceituadíssimo que é o Ministério Público da Paraíba, o Gaeco, que está investigando. Por enquanto é muito mais especulação. Vamos aguardar a decisão oficial do Ministério Público, do Gaeco, do Tribunal de Justiça, para que a gente possa tomar e decidir com base em informações oficiais”, disse à imprensa na manhã de hoje (14).

Leia Também:

+ Vítimas de massacre em escola serão homenageadas em velório coletivo

+ Câmera mostra exato momento do ataque à escola em Suzano

+ Vídeo mostra alunos evacuando escola após tiroteio em Suzano

+ Além do domingo, Masterchef será exibido às terças e com novidades

+ Novamente, justiça nega pedido de prisão de zelador suspeito de estupro em escola da PB