sexta-feira, 13 de dezembro de 2019
Busca

Política

Política

Ministro paraibano do TCU suspende veiculação da campanha do 'pacote anticrime'

A campanha publicitária foi lançada no último dia 3 de outubro em cerimônia no Palácio do Planalto​, ao custo estimado em R$ 10 milhões

Por Carlos Rocha

13h51 - Atualizado 08/10/2019 às 15h50
Foto: Agência Senado

O paraibano Vital do Rêgo Filho, ministro do Tribunal de Contas da União, suspendeu a veiculação de publicidade envolvendo o “pacote anticrime”, como ficaram conhecidos os projetos de lei idealizados pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que ainda se encontram em discussão no Congresso Nacional.

+ Ex-MasterChef relembra quando viveu par romântico de Sandy; veja

+ Passageiro poderá escolher pagar mais caro para não conversar no Uber

A campanha publicitária foi lançada no último dia 3 de outubro em cerimônia no Palácio do Planalto, ao custo estimado em R$ 10 milhões. A decisão tem validade até que o plenário do TCU se manifeste sobre o tema, o que deve acontecer na sessão do plenário desta quarta-feira (9).

+ Vídeo: show surpresa de Marília Mendonça termina com arrastão e um esfaqueado em MG

+ Ken Humano diz que está com medo de perder o nariz após 11ª cirurgia plástica

O argumento central do relator, Vital do Rêgo, é que os projetos ainda estão tramitando no Congresso e, dessa forma, poderão sofrer “drásticas alterações”, razão pela qual o investimento de recursos no momento poderia gerar desperdício de dinheiro público.

+ Rachel Sheherazade esclarece episódio de roubo de carro e cobra policiamento

+ Mestre do Sabor: entenda como vai funcionar o "MasterChef" da Globo

“Não vislumbro como alinhar a divulgação de um projeto de lei que ainda será discutido pelo parlamento com o objetivo de ‘de informar, educar, orientar, mobilizar, prevenir ou alertar a população para a adoção de comportamentos que gerem benefícios individuais e/ou coletivos'”, disse o ministro relator, Vital do Rêgo, em despacho nesta terça-feira (8).

Questionamentos

Os questionamentos à publicidade partiram de duas frentes. De um lado, o Ministério Público de Contas, e de outro, parlamentares da oposição, entre eles deputados integrantes do grupo de trabalho que discutiu durante meses o projeto na Câmara, como Orlando Silva (PCdoB-SP), Paulo Teixeira (PT-SP) e Marcelo Freixo (PSOL-RJ). Um dos argumentos é que, como ainda não é uma política de governo, e sim um projeto legislativo, não poderiam ser investidos recursos para uma campanha publicitária institucional da Presidência da Republica.

+ Gato morre após ser arremessado para quintal com pitbull; assista

+ Quanto ganha um conselheiro tutelar de João Pessoa?

O procurador do TCU Lucas Furtado pediu que a Corte analisasse o emprego dos recursos considerando que eles podem não atender aos “princípios do interesse público e da transparência” e sim servir “ao favorecimento de interesses pessoais, com ofensa aos princípios da impessoalidade e da supremacia do interesse público”.

No pedido dos parlamentares, eles afirmam que “Trata-se de uma ação contrária à Constituição Federal, incompatível com o interesse público e lesiva à moralidade e às finanças da União, uma vez que a presente campanha publicitária se caracteriza única e exclusivamente pelo seu caráter político, não se enquadrando em qualquer dos casos previstos pela Constituição, além do que envolve grandes despesas para os cofres da Administração Pública Federal”.