Paraíba, terça-feira, 11 de dezembro de 2018
31° C
Busca

Política

Política

Secretário de Comunicação de João Pessoa diz que oposição ‘bateu cabeça’

"Cartaxo poderia ter se encantado pela mosca azul do poder", exclamou.

Por Cristiano Sacramento

16h18 - Atualizado 13/03/2018 às 16h30
Josival Pereira (foto) é o atual secretário de comunicação da prefeitura de João Pessoa.
Josival Pereira (foto) é o atual secretário de comunicação da prefeitura de João Pessoa. Imagem: Reprodução / Arquivo Internet

A política é bacana, o poder é bacana, mas, você também tem que ter a responsabilidade de fazer aquilo que se deve fazer e às vezes isso exige muita coragem”. Essa é uma declaração de Josival Pereira, atual secretário de comunicação da prefeitura de João Pessoa. Em entrevista à rádio 98 FM, na tarde desta terça-feira (13), o representante da gestão chefiada por Luciano Cartaxo (PSD) falou sobre a atual conjectura política da Paraíba.

Saída de Cartaxo

Luciano Cartaxo avaliou bem e viu que o foco deveria ser a gestão que ele tem aqui em João Pessoa. Essa foi a principal justificativa dele. Outro ponto seria a conversa com a oposição. O prefeito tinha feito uma proposta e não poderia adiar decisões políticas”, afirmou. Segundo Josival, o representante não guarda mágoa ou ressentimentos de nenhum político. “Quanto as mágoas, se ele estivesse com mágoas de alguém não teria recebido Cássio nesse fim de semana”, completou.

Vereador diz que oposição quer politizar interdição do IPC, em João Pessoa

Ele poderia ter se encantado pela mosca azul do poder mas preferiu se concentrar em João Pessoa”, resumiu.

Questionado sobre a Barreira do Cabo Branco, Josival informou que trata-se de uma situação atípica. “É uma obra complicada, mas a primeira parte está sendo feita. São ações que precisavam ser enfrentadas em João Pessoa”, finalizou.

Última frase

Após falar sobre os supostos ressentimentos entre Cássio e o PSDB, o secretário foi confrontado se o senador e a oposição perderam o time. Em resposta, Josival declarou que “essa é uma avaliação muito pessoal. Trabalho com política há muito tempo e eu diria que sim. As oposições, de uma maneira geral, elas ficaram batendo cabeça quando poderiam ter decidido antes”, concluiu.