Paraíba, terça-feira, 16 de julho de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Operação Xeque-Mate

Leto Viana e mais 11 denunciados na Xeque-Mate se tornam réus na Justiça da PB

Denúncia aceita pelo TJPB tem relação com fraudes em licitações cometidas pelo grupo criminoso do ex-prefeito de Cabedelo

Por Redação Portal T5

19h57
Leto Viana é acusado de chefiar um grupo criminoso que atuava na administração de Cabedelo
Leto Viana é acusado de chefiar um grupo criminoso que atuava na administração de Cabedelo Foto: Divulgação

A Justiça da Paraíba acatou nesta quarta-feira (3) uma denúncia contra o ex-prefeito de Cabedelo, Leto Viana, e outras 11 pessoas investigadas na Operação Xeque-Mate. Com isso, todos eles se tornaram réus, por envolvimento em um grande esquema de corrupção na administração pública de Cabedelo, município da Grande João Pessoa.

Operação Xeque-Mate completa 1 ano: veja como as investigações mudaram a política em Cabedelo

Há exatamente um ano, no dia 3 de abril de 2018, Polícia Federal e o Gaeco do Ministério Público da Paraíba (MPPB) deflagraram a primeira fase da operação. Na época, o então prefeito, Leto, foi preso apontado como líder de um grupo criminoso que cometia diversos crimes de corrupção nos poderes Executivo e Legislativo da cidade. Além dele, também foram presos vereadores de Cabedelo e outros envolvidos.

Segundo explicou o juiz Henrique Jorge Jácome de Figueiredo, que foi designado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) para conduzir os processos referentes à Xeque-Mate, a denúncia específica feita pelo MPPB tem relação com fraudes em licitações, sobretudo dentro da “Operação Tapa Buraco”.

Assim como Leto Viana, que seguia cumprindo prisão preventiva no 5º Batalhão de Polícia Militar (5º BPM), em João Pessoa, Márcio Bezerra da Costa, Lucas Santino da Silva, Emílio Augusto Alquete de Paula, Daniel Solidônio de Sousa, Antônio Bezerra do Vale Filho, Osvaldo da Costa Carvalho, Roberto Alves de Melo Filho, Marco Aurélio de Medeiros Villar, Tiago Meira Villar, Érica Moreno de Gusmão e Reuben Cavalcante também se tornaram réus.

Leia também:

FAB disponibiliza vagas para oficiais temporários e salário pode chegar a R$ 11 mil

PF apura se acusado de matar Marielle usou arsenal em mortes do Escritório do Crime