segunda-feira, 06 de abril de 2020
Busca

Portal T5

Polícia

Policiais afirmam que vão cumprir determinação judicial sobre fim das paralisações na PB

Além de decretar ilegal, a Justiça estipulou uma multa de R$ 500 mil

Por Redação Portal T5

07h40 - Atualizado 20/02/2020 às 09h23
Policiais militares durante o bloco Muriçocas do Miramar, em João Pessoa
Policiais militares durante o bloco Muriçocas do Miramar, em João Pessoa Foto: Reprodução/Redes Sociais

Após decisão judicial, o Fórum das Entidades das categorias policiais Civil, Militar e o Corpo de Bombeiros anunciou que deve encerrar o movimento de paralisação considerado ilegal pelo desembargador Leandro dos Santos, do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB). As categorias reivindicam melhores condições de trabalho e reajuste salarial.

Como justificativa da liminar, o desembargador informou que o período carnavalesco padece dos serviços das forças policiais e que a sociedade não poderia ser prejudicada e se ver vulnerável. 

Além de decretar ilegal, o desembargador estipulou uma multa de R$ 500 mil por dia em caso de descumprimento para cada entidade representante. Além de uma multa pessoal, diária, no valor de R$ 300,000 para os membros da diretoria.

A paralisação foi anunciada na última terça-feira (18) após uma das associações que representam a categoria informar que uma reunião que aconteceria entre Secretaria da Receita e Governo a fim de apreciar a proposta teria sido adiada e mais um prazo foi pedido. O movimento de advertência duraria 12 horas e foi aprovado em assembleia, segundo os representantes.

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Pneus furados - Um conflito entre membros das categorias de segurança pública foi gerado na noite dessa quarta-feira (19), durante o bloco Muriçocas do Miramar. Após agentes bloquearem os portões do Clube Cabo Branco a fim de impedir policiais militares de trabalhar na segurança da festa, viaturas da PM apareceram com pneus furados em pelo menos três bairros de João Pessoa.

A assessoria da Polícia Civil disse não ter informação sobre o caso, assim como a Secretaria do Estado da Segurança e da Defesa Social, que disse não ter sido comunicada sobre o assunto.

De acordo com o relato de alguns agentes, viaturas tiveram pneus furados em Mandacaru, Tambauzinho e bairro dos Ipês. Segundo eles uma moto da ROTAM também teve o pneu esvaziado.  Mais tarde, outros ataques foram registrados em outros bairros da cidade. Em alguns casos a válvula era retirada, já em outros o pneu foi rasgado com material cortante.

O coronel Sobreira, presidente da Caixa Beneficente da PM, afirmou que o ataque às viaturas não foi de responsabilidade do movimento de paralisação.