Paraíba, sábado, 24 de agosto de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Polícia

Polícia abre inquérito para investigar suposto golpe na venda de eletrônicos em redes sociais na PB

De acordo com as vítimas, os produtos não foram entregues e a suspeita fazia chantagens emocionais

Por Redação Portal T5

20h08 - Atualizado 19/06/2019 às 05h37
Foto: Divulgação

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar um suposto golpe em que aparelhos eletrônicos estariam sendo vendidos através de um perfil de uma rede social na internet. A garantia para os clientes era de que o preço do produto era abaixo do valor do mercado. A informação foi confirmada pela Delegacia de Defraudações de João Pessoa, nesta terça-feira (18).

Ao PortalT5, uma das vítimas do suposto golpe contou que comprou um celular no valor de quase R$ 3 mil em dezembro do ano passado com a garantia de recebimento na primeira semana de janeiro de 2019. A promessa era de que a mercadoria seria entregue lacrada e com nota fiscal.

OAB acompanha caso de material apreendido em colchão levado por advogado ao PB-1

Segundo ela, o dinheiro foi depositado na conta bancária do esposo da suspeita. A suposta vítima relatou que se reuniu com outras nove pessoas para realizar a denúncia e registrar um Boletim de Ocorrência hoje.

Outra vítima do suposto golpe contou à reportagem que realizou uma compra em março deste ano no valor de R$5 mil, sendo um celular e um relógio para ser recebido na primeira semana de abril.

João Pessoa ainda tem pontos bloqueados por conta das chuvas; confira

De acordo com as vítimas, os produtos não foram entregues e a suspeita fazia chantagens emocionais para justificar o não cumprimento das entregas.

O delegado responsável pelas investigações, Carlos Othon, informou ao PortalT5 que a suspeita prestou depoimento alegando que houve um "desacordo comercial". Ela estava vendendo os celulares e em determinado momento começou a perder o controle na administração da empresa, como também, teria sido vítima de calote de fornecedores.

Ele disse ainda que a suspeita garantiu que não agiu de má fé. Conforme o delegado, o inquérito foi instaurado para decidir se ela será indiciada.