Paraíba, terça-feira, 19 de fevereiro de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Polícia

"Ameaçou e me agrediu", diz suspeito de esfaquear ‘colega’ por conta de coleira de cachorro

O suspeito foi encaminhado à Central de Polícia de Campina Grande, no Agreste da Paraíba.

Por Redação Portal T5

18h50 - Atualizado 11/02/2019 às 19h13
Sede da Central de Polícia, em Campina Grande
Sede da Central de Polícia, em Campina Grande Imagem: Reprodução / Google Maps

O homem suspeito de esfaquear um jovem de 27 anos após um desentendimento por conta de uma coleira de cachorro foi preso no início da noite desta segunda-feira (11), após se apresentar à polícia.

Em entrevista coletiva à imprensa, ele deu sua versão sobre o crime. Segundo ele, o assassinato aconteceu após ter recebido ameaças da vítima. Em resumo, o suspeito alegou que teria feito um acerto para produzir duas coleiras de cachorro. Entretanto, ele ficaria com um molde e a vítima, de 27 anos, com duas coleiras.

"Ele [a vítima] descumpriu nosso acordo. Ele queria duas coleiras. Pra isso me deu o molde de uma, e, em nosso acordo eu ficaria com esse molde. Só que o material que ele me deu não foi suficiente pra fazer duas coleiras, e aí ele queria ficar com o molde que me deu. O combinado não era esse. Eu ia dar o restante da fita pra ele. Até disse 'Jefferson, vou arrumar a fita pra você'", detalhou.

Questionado sobre tamanhã agressividade, o suspeito declarou: "Antes [das facadas] ele tinha me agredido. Chegou a me empurrar e a jogar a fita nos meus peitos. Nisso ele saiu e disse que voltaria, na minha cabeça pensei: ele vai voltar com uma arma", completou.

"Ele pratica artes marciais, e, em determinado momento me disse que sabia fazer um negócio que apagava as pessoas em três minutos. Só veio isso na minha cabeça. Estou arrependido, mas, o pior foi feito", finalizou.

O suspeito foi encaminhado à Central de Polícia de Campina Grande, no Agreste da Paraíba. Lá, prestou esclarecimentos e deve ser encaminhado até o final da noite ao Instituto de Medicina Legal (IML) onde realizará o exame de corpo de delito.

O suspeito deve permanecer detido na carceragem da central onde aguardará até amanhã (terça-feira, 12) a realização de uma audiência de custódia.

Leia mais: Mãe de jovem morto por conta de coleira diz perdoar assassino: "Não quero justiça com as próprias mãos"

Siga nosso Instagram Facebook e fique bem informado!

Para sugerir pautas, entre em contato com a redação pelo número (83) 9.8684-1874 e 3015-3741.