Paraíba, quinta-feira, 15 de novembro de 2018
32° C
Busca

Paraíba

Polícia

Homem invade sala e faz arrastão durante aula na UFPB

A turma estava no CCSA, mesmo local onde um arrastão aconteceu há menos de dois meses​.

Por Carlos Rocha

23h08 - Atualizado 13/09/2018 às 21h01
Foto: Reprodução/ TV Tambaú

Um homem invadiu uma das salas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), na noite desta quarta-feira (12). Ele interrompeu uma aula da turma de Administração, que era ministrada no Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), mesmo local onde um arrastão aconteceu há menos de dois meses.

De acordo com informações da professora, o homem chegou de repente, ficou na porta impedindo a saída, e disse que ninguém poderia se retirar sem dar dinheiro. A professora deu uma quantia para que ele liberasse a saída. Ele voltou a impedir e ordenou que ela recolhesse o dinheiro dos alunos. Após pegar o montante o homem fugiu. Testemunhas afirmaram que ele chegou a ameaçar um outro professor.

Leia Mais: Em nota, UFPB confirma que houve assalto em sala de aula do CCSA

A professora informou que o homem não chegou a mostrar arma, mas se mostrava ansioso e ofegante. Após a ação ela comunicou o caso ao departamento, fez boletim de ocorrência (online) e os alunos foram liberados.

Julho de 2018: o mesmo Centro, o mesmo crime

Não é a primeira vez que o mesmo Centro da da UFPB é alvo de bandidos. No dia 18 de Julho desse ano houve um crime semelhante. Um homem também invadiu uma sala do CCSA. Na ocasião uma turma do curso de Contabilidade foi vítima. De acordo com o relatos dos estudantes, ele estava armado e chegou a desejar "boa aula" ao sair do local.

Na época as vítimas disseram que homem estava bem vestido e entrou calmamente na sala. A professora chegou a afirmar que pensou que ele era um aluno. De maneira bem tranquila, o suspeito mostrou a arma para as vítimas e ordenou que entregassem os celulares.

Mais de dez aparelhos foram entregues ao suspeito, que se retirou em seguida.

Em nota, emitida em julho, no mesmo dia em que o crime foi registrado, o prefeito universitário, professor João Marcelo, lamentou o episódio e disse que a Instituição estaria à disposição.

Ele disse ainda que rondas estariam sendo realizadas pela Polícia Militar, que foi chamada, e que a equipe de segurança do Campus tentou rastrear alguns celulares.