Paraíba, quarta-feira, 22 de agosto de 2018
18° C
Busca

Portal T5

Polícia

“Não vivemos mais, só vegetamos”, diz mãe de advogada morta na PB; ex-companheiro é o suspeito

O julgamento do suspeito acontece nesta quinta-feira (8), em João Pessoa.

Por Redação Portal T5

11h08 - Atualizado 08/08/2018 às 19h39
Érika Vanessa de Sousa Lira tinha 31 anos
Érika Vanessa de Sousa Lira tinha 31 anos Foto: Reprodução / Arquivo pessoal

Está previsto para acontecer nesta quinta-feira (9) o julgamento do principal suspeito pela morte da advogada paraibana Érika Vanessa de Sousa Lira. A bacharel em direito foi atingida por um disparo de arma de fogo no dia 24 de abril de 2014. De acordo com uma das linhas de investigação, a vítima, a época com 31 anos, teria sido morta pelo então ex-companheiro, também advogado.

Rompimento de silo de milho deixa trabalhadores soterrados em fábrica de CG; vídeo

A ação acontecerá no Fórum Criminal de João Pessoa. Uma caravana com parentes, ativistas e representantes de instituições em defesa da mulher sairá de Cajazeiras (cidade natal da advogada) em direção a capital.

Em entrevista ao Portal T5, a mãe de Érica (que terá a identidade preservada), falou sobre a atual situação em que a família está. Emocionada, ela disse que o crime: “Acabou com nossa vida. Acabou com o nosso bem maior. Esse homem [o suspeito] matou a nossa família. Nós não vivemos mais, só vegetamos”.

Sobre o júri

A expectativa é grande, sairemos com uma caravana. A viagem começa no Centro de Defesa da Mulher. Realizaremos uma ação em frente ao Fórum. Que outras mães não passem pelo o que estou passando. Faremos panfletagem e o que for preciso”, afirmou.

+ Suspeito de matar advogada tenta suicídio em penitenciária e defesa pede transferência

Ela ainda contou que o maior desejo é de “que ele seja condenado. Tenho fé na justiça pra colocar ele no lugar que ele merece”, finalizou.

O crime

Antes de ter morte confirmada, a advogada ficou internada na UTI do Hospital de Emergência e Trauma, em estado grave, por 11 dias. Érika foi atingida por um disparo no rosto. Ela estava no apartamento que morava, localizado no bairro do Bessa, na capital.

+ Marido 'escravizava' advogada que caiu de prédio e a tratava por apelidos humilhantes, diz MP

Segundo o laudo do Instituto de Polícia Científica (IPC), o tiro que atingiu a advogada não foi acidental. Os indícios apontam que o suspeito atirou na ex-companheira após uma discussão.

Leia mais: New York Times repercute morte de advogada paranaense

+ Câmera de segurança filma agressão à advogada que caiu do 4º andar

Prazo para pedir 2ª via de título de eleitor fora do domicílio eleitoral termina nesta quarta (8)

+ Trabalhador pode sacar PIS/Pasep a partir desta quarta-feira

+ Paraibanos devem receber mais de R$ 31 milhões com 3º lote da restituição do IR