terça-feira, 02 de junho de 2020
Busca

Paraíba

Paraíba

Cidade na PB reduz salários de prefeito, vice e secretários em meio a pandemia de Covid-19

O dinheiro cortado dos salários será utilizado para ações de combate a pandemia do novo Coronavírus.

Por Redação Portal T5

14h34 - Atualizado 07/04/2020 às 14h37
Curral de cima
Curral de cima

Localizada a 63 km de João Pessoa, moradores de Curral de Cima receberam nesta terça-feira (7), a notícia de que a cidade reduziu em 30% os salários do prefeito, vice-prefeito e secretários municipais.

A ação acontece após o município decretar estado de calamidade pública por 90 dias como medida de prevenção e combate à pandemia do novo Coronavírus.

Segundo o comunicado da gestão local, o dinheiro cortado dos salários dos servidores será utilizado para ações de combate a situação atual – mesmo que a cidade não tenha nenhum caso confirmado. Também foram cancelados os eventos públicos como a emancipação política do município e o São João.

A previsão é quem sejam distribuídas cestas básicas às famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade social. A medida é válida aos cadastrados no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico).

Até a publicação desta matéria, Curral de Cima era a única cidade da Paraíba a ter salários da gestão municipal reduzidos durante a pandemia. A informação é da Federação dos Municípios da Paraíba (Famup).

Leia mais: Problemas com CPF podem impedir recebimento de auxílio emergencial

Parcelas do auxílio R$ 600 serão pagas até 29 de maio; veja as datas

Quem tem direito ao auxílio emergencial de R$ 600?

Saiba como se inscrever no Cadastro Único e receber auxílio 

Veja como solicitar o auxílio emergencial de R$600

Aplicativo de 'sugar daddies' oferece 'coronavoucher' para usuários

Cientistas com pesquisas sobre o coronavírus podem ter financiamento do Governo da Paraíba

Marinha encerra inscrições para Colégio Naval na próxima semana; saiba como concorrer

Centro nacional de pesquisas de Campinas seleciona 2 remédios para coquetel contra coronavírus