Paraíba, domingo, 15 de setembro de 2019
30° C
Busca

Paraíba

Paraíba

Submetralhadora que matou policial disparou sozinha, diz delegada

A arma teria disparado sozinha quando os policiais tentavam conter um homem suspeito de praticar desordem no bairro do Monte Santo.

Por Redação Portal T5

12h47 - Atualizado 10/09/2019 às 13h53

Uma submetralhadora que estava nas costas de outro policial foi responsável pelo disparo acidental que matou o cabo Emerson Thiago Soares de Lima, de 34 anos. O caso aconteceu no início da manhã desta segunda-feira (9), em Campina Grande.

Segundo a delegada de Homicídios, Nercília Dantas, que acompanha o caso, a arma teria disparo sozinha quando os policiais tentavam conter um homem suspeito de praticar desordem no bairro do Monte Santo.

+ Médico que atuava na PB sobrevive a ataque que deixou mortos em academia

+ Comentarista da Globo na PB faz desabafo e pede demissão ao vivo; veja

“Nós ouvimos várias testemunhas e os depoimentos mostraram que essa arma que estava nas costas do policial é um modelo de arma que tem um histórico de disparar muito fácil, pesquisas apontam que já são vários incidentes ocorridos com esse modelo de arma”, esclareceu.

A delegada também revelou que durante a ação os policiais precisaram utilizar as armas. “Em nenhum momento os policiais utilizaram armas para conter o homem que estava sendo imobilizado. A ação foi feita sem uso de força letal, apenas força física, quando os policiais tentavam conter o rapaz”, disse.

+ Inscrições de concurso com 73 vagas e salários de até R$ 3,3 mil encerram nesta terça (10)

+ Mulher é ferida com golpe de faca peixeira no Sertão da PB; marido é preso em flagrante

O cabo e outro militar chegaram ao local para dar apoio à outra guarnição. “Tanto o policial que morreu, quanto o que estava com a arma que disparou, estavam em um segunda guarnição que chegou ao local para ajudar os outros PMs a conter um homem que estava causando medo aos moradores”, explicou.

O caso segue em investigação e está sendo tratado como acidente de trabalho. O inquérito será encaminhado ao Ministério Público da Paraíba (MPPB). Quanto ao suspeito de desordem, que foi detido e encaminhado para a Central de Polícia Civil de Campina Grande,  ele foi liberado após pagamento de fiança.