Paraíba, terça-feira, 20 de agosto de 2019
30° C
Busca

Paraíba

Paraíba

CRM-PB e Prefeitura de Bayeux discutem interdição da UPA do município

A UPA está interditada desde o dia 14 deste mês. A média de atendimento é de 200 a 300 pessoas por dia

Por Redação Portal T5

15h47 - Atualizado 30/05/2019 às 15h50
Foto: Duilyane Borges/RTC

O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) se reuniu, na tarde desta quinta-feira (30), com representantes da Prefeitura de Bayeux para discutir a interdição da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município.

A UPA está interditada desde o dia 14 deste mês e a média de atendimento é de 200 a 300 pessoas por dia. Durante o período de interdição, aproximadamente 4.500 mil pessoas ficaram sem atendimento.

Na reunião, que aconteceu na sede da instituição na Torre, estavam presentes o presidente do CRM, João Alberto, e o prefeito de Bayeux, Berg Lima com o objetivo de mostrar as providências que estavam sendo tomadas.

Segundo o prefeito da cidade, os equipamentos já foram comprados e a UPA aguarda uma nova fiscalização do CRM para que a unidade seja liberada.

Conforme informou João Alberto, a fiscalização deve acontecer no máximo até a próxima semana.

Relembre o caso

A Unidade de Pronto Atendimento do município de Bayeux, na Grande João Pessoa, foi interditada na noite do dia 14 deste mês pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB). A equipe verificou irregularidades no local.

Na ocasião, em entrevista ao Portal T5, o diretor de fiscalização do CRM-PB, João Alberto, afirmou que a equipe compareceu à unidade para averiguar uma denúncia de que uma médica teria sido agredida no setor de pediatria da unidade.

Um pai incomodado e impaciente com a lentidão no atendimento teria agredido verbalmente a profissional que estava fornecendo assistência aos pacientes.

Entretanto, chegando ao local, foi constada a precariedade no ambiente. De acordo com o diretor, a infraestrutura da unidade estava inadequada para atendimento.

Segundo ele, alguns dos problemas encontrados foram a superlotação, problemas com esterilização de lençóis, falta de materiais e medicamentos, representando risco à população.