Paraíba, quarta-feira, 16 de outubro de 2019
30° C
Busca

Paraíba

Paraíba

Secretaria da Mulher emite nota de pesar sobre últimos casos de feminicídio na PB

O comunicado menciona investimentos de políticas públicas nas áreas de assistência​ e prevenção.

Por Redação Portal T5

17h45 - Atualizado 20/04/2019 às 17h54

Após os alarmantes casos de assassinatos de mulheres nesta última semana, em João Pessoa, Campina Grande e Sousa, a Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana (SEMDH) divulgou uma nota no fim da tarde deste sábado (20) lamentando os casos de violência.

A secretaria menciona os últimos investimentos de políticas públicas nas áreas de assistência e prevenção.

+ Paraíba registra quatro mulheres mortas em 5 dias; maridos são os principais suspeitos dos crimes

"A Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana (SEMDH) lamenta com pesar os quatro casos de feminicídio registrados, na última semana, em João Pessoa, Campina Grande e Sousa.

Cada mulher assassinada nos afeta, nos indigna e representa uma parte de nós, inseridas no contexto de opressão e violência doméstica, imposto pela cultura do machismo que demarca as relações de gênero e o controle sobre a vida das mulheres.

Alertamos para que toda a sociedade se empenhe na proteção ás mulheres que vivem situações de violência. O silêncio é cúmplice da violência, já dizia o movimento de mulheres na década de 1990.

Precisamos unir os esforços, numa grande aliança, entre governo, instituições, organizações sociais, movimentos sociais, escolas, serviços de saúde, sindicatos, igrejas, famílias e sociedade para mudar a cultura machista, proteger as mulheres e enfrentar a violência de gênero.

O governo do Estado, por sua vez, vem implementando políticas públicas intersetoriais, com ações de repressão por meio de uma parceira contínua da SEMDH com a Secretaria de Segurança e Defesa Social (SEDS); aumentando as delegacias especializadas de mulheres, implantando o Programa SOS Mulher e a Patrulha Maria da Penha.

Na área de assistência foram criados a Casa Abrigo, Centro Estadual de Referência da Mulher em Campina Grande e Centro Regional de Referência da Mulher em Sumé, realizadas capacitações  com  mais de 5 mil policiais, dialogado com CREAS, entre outras ações.

No campo da prevenção, são feitas campanhas de mídia, atuação nas escolas com a Secretaria de Educação (SEE) com o intuito de cuidar dos meninos, meninas e jovens para que sejam educados na perspectiva de igualdade de gênero, sem assimilar o machismo como prática de vida.

Buscamos e não medimos esforços para promover uma mudança de mentalidade e isso só será possível se trabalharmos unidos (as). Nos solidarizamos com as famílias – filhas, filhos, parentes, movimento de mulheres e feminista. Pedimos sororidade em favor da vida das mulheres! Em caso de violência contra mulheres, ligue 190 ou 197! Denuncie!"

Foto: Reprodução / Internet

Os crimes

O primeiro caso aconteceu na noite da última segunda-feira (15), em Campina Grande, no Agreste do estado, Dayse Alves foi morta com um tiro pelo ex-marido, que não aceitava a separação. Após o crime, o homem cometeu suicídio. O casal foi velado e sepultado no mesmo túmulo no dia seguinte.

Outra vítima foi Tâmara de Oliveira Queiroz, na tarde desta quinta-feira (18), no bairro da Torre, em João Pessoa. O ex-companheiro atingiu a mulher com três tiros na cabeça e se suicidou em seguida. A polícia acredita que o ciúme pode ter motivo o crime.

Nesta sexta-feira Santa (19), em João Pessoa, Ana Priscila do Rego de Viana, de 31 anos, foi assassinada a facadas e encontrada morta dentro de um prédio abandonado, no bairro de Mangabeira.

Conforme a polícia, o suspeito foi detido no mesmo bairro e encaminhado à Central de Polícia. Fabiana Ferreira da Silva, de 30 anos, foi encontrada morta, na noite desta sexta-feira (19), em um sítio, no município de Sousa, interior da Paraíba. De acordo com a Polícia Militar, ela foi assassinada com um tiro de arma de fogo na cabeça e o marido é o principal suspeito do crime.  Ele teria fugido do local e levado a arma utilizada na ação.