Paraíba, terça-feira, 25 de junho de 2019
30° C
Busca

Paraíba

Paraíba

"Papai se foi como herói, se jogou em cima de mim e depois apagou", diz filha de paraibano morto em desabamento no RJ

Criança está atualmente sob cuidados dos avós maternos

Por Lillyane Rachel

12h02 - Atualizado 14/04/2019 às 12h14
Pastor paraibano Cláudio Rodrigues morreu no hospital após ser socorrido dos escombros. Sua esposa, Adilma, permanece internada em estado grave.
Pastor paraibano Cláudio Rodrigues morreu no hospital após ser socorrido dos escombros. Sua esposa, Adilma, permanece internada em estado grave. Foto: Reprodução/ Facebook

A tia do paraibano morto no desabamento de um prédio no Rio de Janeiro, Leila Oliveira, contou que o sepultamento vai acontecer neste domingo (14) às 16h, no Rio de Janeiro.

Leia Mais: Paraibano de Serra Branca morre em desabamento de prédios no Rio de Janeiro

Em entrevista a Rede Tambaú de Comunicação, ela contou que a filha da vítima, de 10 anos, relata a cena dizendo: "Papai se foi como herói, se jogou em cima de mim e depois apagou."

A criança, que atualmente está sob os cuidados dos avós maternos, sofreu uma fratura na perna e recebeu alta no mesmo dia da tragédia.

De acordo com ela, a esposa de Claúdio, Adilma Rodrigues, segue internada em estado grave.

Leila contou ainda que a Prefeitura do Rio de Janeiro está arcando com todas as despesas médicas e do funeral.

Cláudio era paraibano de Serra Branca, no Cariri do estado, tinha 40 anos, era pastor e vice-presidente da associação de moradores da região. Ele morreu no hospital, após ser socorrido e sofrer quatro paradas cardíacas. 

Outras vítimas da Paraíba

Em entrevista veiculada pela Rádio 98 FM nesta sexta, um professor paraibano que mora na região que sofreu com o desastre disse que pelo menos quatro familiares estão desaparecidos.

As vítimas seriam da cidade de Cacimba de Dentro, também no Agreste paraibano: Jefferson da Silva Trajano (irmão), Carla Batista (cunhada), Enzo e Arthur, que seriam sobrinhos do professor.

"O prédio caiu inclinado para trás. A nossa esperança é que eles estejam dentro de algum 'bolsão de ar', protegidos por alguma laje”, informou durante a entrevista.

Ana Flávia Pereira, de 36 anos, do município de Riachão, no Agreste paraibano, também está entre os desaparecidos.