Paraíba, terça-feira, 19 de março de 2019
30° C
Busca

Paraíba

Paraíba

PF deflagra operação contra crimes financeiros e prende colombiano em João Pessoa

Ação desarticulou organização criminosa formada por colombianos na Paraíba e no Amapá, com cinco mandados de prisão

Por Redação Portal T5

07h31 - Atualizado 15/03/2019 às 07h56
Colombiano é preso pela PF nos Bancários, em João Pessoa
Colombiano é preso pela PF nos Bancários, em João Pessoa Foto: Ewerton Correia/RTC

A Polícia Federal na Paraíba deflagrou na manhã desta sexta-feira (15), em João Pessoa a Operação Sicário, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa que praticava uma modalidade de crime financeiro chamado “cobro” ou “cobrito”.

A ação mobilizou 30 agentes da PF no total, que cumpriram sete mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva, tanto no estado da Paraíba quanto no Amapá.

Na capital paraibana, a polícia realizou a prisão de um suspeito colombiano no bairro dos Bancários, bem como a apreensão de vários bens, a exemplo de um carro, uma moto e malotes com documentos.

O suspeito e todo o material apreendido foram levados para a sede da Polícia Federal, em Cabedelo.

Leia também:

Homem é espancado por suspeita de roubo em farmácia, em João Pessoa

TRE acata pedido de Eudes e manda registro de Vítor Hugo de volta à 1ª instância

Entenda o crime

O cobro é materializado através do oferecimento de panfletos a lojistas (geralmente pequenos empresários) em que é exposta uma cobrança de juros diária, normalmente sobre pequenas quantias que disfarçam a abusividade das cobranças

Os recursos captados a partir de empréstimos extorsivos destinam-se a um fundo cuidadosamente organizado e administrado pela organização criminosa através de aplicativos eletrônicos.

Os valores eram posteriormente reinvestidos na expansão das atividades ilícitas mediante a estruturação de novos cobros em outras cidades, com uma grande arquitetura financeira clandestina, que vai de encontro com as regras do sistema financeiro oficial.

Crimes 

Os investigados responderão pelos crimes de formação de organização criminosa, operação de instituição financeira clandestina e lavagem de dinheiro, previstos, respectivamente, cuja penas, somadas, poderão chegar a mais de 30 anos de reclusão.