domingo, 15 de dezembro de 2019
Busca

Paraíba

Paraíba

Mulheres da Paraíba estão tendo filhos mais tarde, indica IBGE

Em 2008 o grupo de até 29 anos de idade representava 75,3% do total das que passaram por partos, já em 2018 esse percentual caiu para 65%.

Por Redação Portal T5

10h52 - Atualizado 04/12/2019 às 12h39

A Paraíba registrou uma alta de 5% no número de nascimentos em 2018, a 5ª maior do Brasil, segundo as Estatísticas. A variação, em comparação a 2017, está acima da média do Brasil, de 1%, e só é menor do que a observada em Roraima (13,4%), no Mato Grosso (8,4%), Amapá (5,3%) e Maranhão (5,2%).

+ “Se fosse possível eu daria minha vida para salvá-lo”, diz avô de criança que morreu em incêndio

+ ‘Ele tentou se esconder por trás do guarda-roupas’, diz tio de criança morta em incêndio

Os municípios paraibanos que apresentaram as maiores variações foram São Domingos, com uma alta de 78,3%; Várzea, 73,9%; Cacimba de Areia, 65,9%; Aparecida, 65,8%; e Pedro Régis, 59,6%. Já as menores foram observadas em São José do Brejo do Cruz, -39,1%; Cajazeirinhas, -34,7%; Nova Floresta, -32,6%; São Francisco, -30%; e Curral Velho, -28,1%.

Além disso, a pesquisa indica que, no estado, as mulheres estão tendo filhos em idade mais avançada. Em 2008 o grupo de até 29 anos de idade representava 75,3% do total das que passaram por partos, já em 2018 esse percentual caiu para 65%. Enquanto isso, nesse período, a quantidade de mulheres que tiveram filhos na faixa etária de 30 a 49 anos aumentou de 23% para 34,5%. 

CLIQUE PARA VER A IMAGEM MAIOR
CLIQUE PARA VER A IMAGEM MAIOR Reprodução/IBGE

De acordo com o levantamento, do total de paraibanos nascidos vivos no último ano, a maioria, 30.093, era do sexo masculino e 28.889 do feminino. Os dados indicam ainda que, no estado, o mês com mais nascimentos registrados é maio, com 5.483; seguido por março, 5.335; e abril, com 5.334.

O número de mortes, por sua vez, permaneceu estável em relação a 2017, com uma leve variação negativa de 1,59%. O total passou de 26.530 para 26.107, em 2018. Conforme os registros, no estado, a maior parte das mortes é de homens e ocorre de forma natural.