Paraíba, sábado, 20 de outubro de 2018
21° C
Busca

Paraíba

Paraíba

Percentual de famílias em situação de extrema pobreza diminui na Paraíba

Os estados da Bahia, Sergipe e Piauí foram os que tiveram maior crescimento da pobreza extrema

Por Redação Portal T5

17h47
São consideradas nessa situação as famílias com renda domiciliar per capita abaixo de R$ 85 no ano passado
São consideradas nessa situação as famílias com renda domiciliar per capita abaixo de R$ 85 no ano passado Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O percentual de famílias paraibanas que vivem em extrema pobreza caiu nos últimos quatro anos (2014 a 2017), segundo estudo realizado pela Tendências Consultoria. O levantamento aponta que somente a Paraíba e o Tocantins não registraram evolução da miséria no período, enquanto a média nacional aumentou para 4,8% da população em 2017, contra 3,2% em 2014.

Segundo o estudo da Tendências Consultoria, na Paraíba o percentual de famílias que vivem em extrema pobreza foi reduzido de 6,4%, em 2014, para 5,7% em 2017, indo na contramão do Nordeste, que registrou uma piora da situação no período em relação às demais regiões.

Os estados da Bahia, Sergipe e Piauí foram os que tiveram maior crescimento da pobreza extrema, enquanto o Maranhão foi o que obteve o pior resultado do país, chegando a 12% em 2017.

São consideradas nessa situação as famílias com renda domiciliar per capita abaixo de R$ 85 no ano passado. Esse foi o critério da consultoria, baseado no Plano Brasil Sem Miséria, definido por decreto em 2016 – referência do Bolsa Família.

Para chegar aos percentuais, a empresa usou estatísticas sobre a renda de todas as fontes (salários, aluguéis e aposentadorias) de pesquisas domiciliares do IBGE, a Pnad e a Pnad Contínua. Por terem amostragem e metodologias diferentes, as pesquisas precisaram ser harmonizadas. Desta forma, a consultoria não obteve quantitativos de famílias.

Leia também:

Incêndio destrói cômodo em residência de João Pessoa

Daniella Ribeiro tem Instagram hackeado: “Estamos tomando as providências”