Paraíba, terça-feira, 20 de agosto de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Geral

Asteroide pode atingir a Terra a qualquer momento, revela cientista

Danica Remy é presidente da B612 Foundation e diz que “é 100% certo de que nós seremos atingidos"

Por Carlos Rocha

13h47 - Atualizado 14/08/2019 às 17h52
imagem: Nasa

Uma cientista americana revelou que um novo asteroide está vindo em direção à terra e disse que tem total certeza que nosso planeta será atingido. No último sábado (10), uma rocha espacial com 0,5 km de diâmetro passou perto da Terra.

Timbu de Chernobyl”: visual do mascote do Náutico vira meme após aparição

+ Xuxa admite briga com Ivete Sangalo

Danica Remy é presidente da B612 Foundation, organização sem fins-lucrativos que trabalha em métodos de proteger o planeta contra ameaças espacial. Ela deu uma entrevista dizendo que o choque com a terra é certo, mas não soube precisar o dia.

Vídeo: padre ortodoxo realiza batismo violento, machuca criança e é afastado

“É 100% certo de que nós seremos atingidos, mas não há certeza de quando isso vai acontecer”, relatou.

De acordo com a Agência Espacial Americana (NASA), pelo menos 95% dos corpos celestes com mais de 1 quilômetro de diâmetro já foram catalogados e para causar devastação ao nosso planeta  seria necessário um asteroide com mais de 12 quilômetros de diâmetro.

Ex-atriz da Disney, Bella Thorne dirige filme pornô para site de conteúdo adulto

O que chegou mais perto de repetir o que aconteceu há 65 milhões de anos, quando os dinossauros foram extintos, foi o 2006 QQ23. Na semana passada, a rocha esteve há pelo menos 4 milhões de quilômetros de distância da Terra.

Mas, de acordo com a cientista, não será um corpo rochoso como os que estrelaram filmes como Armageddon ou Impacto Profundo. O problema, na verdade, são os “mini-asteroides”.

'Ele disse que as crianças não queriam falar comigo', diz Piovani sobre briga com Scooby

No caso do impacto de um corpo menor, como um medindo aproximadamente 60 metros, uma cidade como Nova York poderia ter a região da ilha de Manhattan completamente destruída. O impacto mataria pelo menos 1,3 milhão de pessoas, de acordo com simulações da Nasa.

“Esse tipo de devastação seria em nível regional, mas traria consequências globais em relação aos sistemas de transporte e rede e também no clima”, afirma Remy. Segundo ela, é preciso estudar a trajetória desses asteroides.

Band vaza quem vai estar na prova de eliminação na semifinal do 'MasterChef 2019'; veja

O problema é que isso não é exatamente simples de ser feito. No fim de julho, por exemplo, uma rocha de pouco mais de 135 metros passou há uma distância de 64 mil quilômetros da Terra. Foi o mais próximo que um deles esteve perto do nosso planeta em mais de um século. A descoberta foi feita por astrônomos brasileiros.

Outro caso, esse ainda pior, ocorreu em 2013. Na ocasião, um asteroide de 16 metros entro na atmosfera na cidade de Chelyabinsk, na Rússia. O impacto da rocha com o solo causou danos em pequenas estruturas e deixou mais de mil pessoas feridas.

Leia Mais: Participante danifica bolo de colega ao abraçá-la em prova do 'Bake Off Brasil'