sexta-feira, 13 de dezembro de 2019
Busca

Portal T5

Geral

Conselho de medicina pede que Anvisa revogue ato para liberar maconha

Entre os tratamentos de maior demanda estão epilepsia refratária, dores crônicas ou neuropáticas, doença de Parkinson, glaucoma e esclerose múltipla, e redução de efeitos colaterais nos tratamentos de câncer e Aids

Por Carlos Rocha

18h06
Divulgação/PM

O CFM (Conselho Federal de Medicina) e a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) divulgaram comunicado nesta quinta-feira (13) pedindo a revogação de atos que venham a liberar o cultivo da maconha para fins medicinais no país.

Na terça (11), a agência apresentou proposta para tentar liberar o cultivo da Cannabis no país com foco na pesquisa e a produção de medicamentos. Pela proposta, se aprovado, o plantio de maconha deverá ser feito em ambientes fechados e com acesso controlado por portas de segurança e biometria.

A iniciativa da Anvisa de propor regras para o plantio é a primeira tentativa da agência em regular o tema. Há iniciativas na área em países como Canadá, Israel, Peru, Argentina, Chile e Reino Unido, além de mais de 30 estados americanos.

Entre os tratamentos de maior demanda estão epilepsia refratária, dores crônicas ou neuropáticas, doença de Parkinson, glaucoma e esclerose múltipla, e redução de efeitos colaterais nos tratamentos de câncer e Aids.

"O CFM e a ABP vêm a público alertar a população e os tomadores de decisão para o alto risco envolvido nessa ação", diz o anúncio das duas entidades. Segundo elas, a proposta não considera evidências científicas de que o uso da planta e seus derivados não garantem efetividade e segurança para os pacientes.

"Até o momento, somente o canabidiol, um dos derivados da Cannabis sativa L., por ter mínimos estudos em forma de pesquisa, tem autorização para uso compassivo sob prescrição médica no tratamento de epilepsias em crianças e adolescentes refratários aos métodos convencionais", diz o comunicado do Conselho Federal de Medicina e da Associação Brasileira de Psiquiatria.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) declarou em 2017 que o canabidiol não provoca dependência e que, nos últimos anos, reuniu robustas evidências científicas de estudos com animais e humanos que mostram que o uso pode ter valor terapêutico para convulsões causadas por epilepsia.

O conselho de medicina já havia se manifestado contra o movimento pela liberação do plantio medicinal, quando o ministro da Cidadania, Osmar Terra, disse em rede social, em maio, que a Anvisa era "irresponsável" por querer liberar o plantio de Cannabis no Brasil: "Contra a lei, contra as evidências científicas e contra o Congresso e o Governo brasileiro!", escreveu o ministro após o Painel S.A. publicar nota sobre a expectativa de empresas do setor em relação ao avanço do tema.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)