Paraíba, quarta-feira, 26 de junho de 2019
30° C
Busca

Esportes

Esportes

Proibido no país, futebol feminino já foi atração de circo

No início do século passado, o futebol jogado por mulheres era considerado bizarro

Por Carlos Rocha

16h55

Quando o governo Getúlio Vargas proibiu a prática do futebol feminino em 1941, o esporte, que chegou aos jornais e passou a suscitar o debate sobre sua legitimidade, foi vítima da sua própria popularidade.

Antes disso, porém, não era visto de forma menos marginalizada. No início do século passado, o futebol jogado por mulheres era considerado bizarro a ponto de ser apresentado como atração de circo.

Fundado em 1913, em Curitiba, o Circo Nerino percorreu o país por 52 anos. Armandine Avanzi, esposa de Nerino Avanzi, o Palhaço Picolino, era uma das atrizes do número "Futebol Feminino", que também contava com sua irmã, Myris Fernandes.

Proibido, o jogo continuou sendo praticado por mulheres, só que de maneira clandestina ou em casos específicos, como uma partida beneficente em 1959 entre atrizes do teatro de revista. Até que o governo militar, em 1965, tornou a proibição expressa.

A abertura para o fim da proibição se iniciou na década seguinte, com a criação da Federação Internacional do Futebol Feminino, em 1970, ano também do primeiro torneio de seleções da modalidade.

A proibição ruiu de vez em 1979, quando a regra que impedia a prática do futebol feminino foi revogada pelo Conselho Nacional de Desportos. A regulamentação da modalidade no Brasil, no entanto só seria realizada em 1983.

O regulamento, ainda assim, contava com determinações estranhas: partidas com duração de 70 minutos, com intervalo de 15 a 20 minutos; proibição de cobrança de ingresso para os jogos; e impedimento às jogadoras de trocar camisas com as adversárias após as partidas.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)