Paraíba, domingo, 22 de setembro de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Economia

Comissão aprova salário mínimo de R$ 1.040 em 2020, sem aumento real

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) foi aprovada pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso

Por Carlos Rocha

17h58
Imagem: Reprodução / Internet

Com a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) pela Comissão Mista de Orçamento (CMO), o salário mínimo passará a ser de R$ 1.040 em 2020. O aumento foi definido nesta quinta-feira (8), com a volta do recesso branco do Congresso Nacional.

Atualmente, o salário tem valor de R$ 998. Apesar de ter subido, tal mudança não representa um ganho real, ou seja, não ficou acima da inflação.  Quando os valores se igualam, na prática, significa que houve o mesmo nível de antes, considerando a alta do custo de vida.

O aumento de 4,2% é similar ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor(INPC) registrado, que é o índice de inflação medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Durante comissão, os parlamentares sugeriram que o salário mínimo seja reajustado apenas pela variação da taxa. Neste ano, a meta do governo é de inflação de 4,25%.

A alteração no valor da renda foi uma sugestão da equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (PSL), chefiada melo ministro da Economia, Paulo Guedes. A decisão representa uma mudança em relação ao modelo de reajuste feito pelos ex-presidente petistas, desde 2007. A forma utilizada perdeu validade em janeiro deste ano. A regra que era seguida pelos governos do PT garantia um aumento que contabilizava a inflação do ano anterior mais o índice de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.

Anterior à decisão, Guedes havia dito que o aumento real só estaria acima da inflação caso as reformas fiscais fossem aprovadas, como a da Previdência. De acordo com o ministro, cada R$ 1 de reajuste movido gera uma consequência de R$ 300 milhões aos cofres públicos.

O texto que passou pela comissão será levado a votação em sessão conjunta do Congresso Nacional. Caso seja aprovado, ele seguirá para a sanção de Bolsonaro. Segundo a Constituição, a LDO deveria ter sido votada antes do recesso branco, que teve fim nesta segunda-feira (05/08/2019), Porém, os trâmites tiveram atraso e o texto só chegou nesta quinta na comissão.