Paraíba, quarta-feira, 14 de novembro de 2018
30° C
Busca

Diversão

Gente famosa

Empresário processa Mara Maravilha por quebra de contrato e danos morais

“Eu consegui fazer com que o nome dela não ficasse sujo, paguei conta de água, luz, telefone, fiz mercado e feira”, contou o empresário.

Por Redação Portal T5

07h11

A suspensão da apresentadora Mara Maravilha do programa Fofocalizandodo SBT, no último dia 17, trouxe à tona mais uma polêmica. Seu empresário, Leandro Bernal, a processou por quebra de contrato e danos morais justamente por conta do acordo firmado entre a cantora e o canal de televisão. O valor da ação, que pode ser encontrada no site do Tribunal de Justiça de São Paulo, ultrapassa 400 mil reais.

A história começou em 2015 quando a Rede Record chamou Mara para participar de A Fazenda. Na época, segundo Bernal, a artista estava “quebrada”, sem dinheiro para pagar as contas de casa. “Eu consegui fazer com que o nome dela não ficasse sujo, paguei conta de água, luz, telefone, fiz mercado e feira”, contou ele em entrevista à Jovem Pan.

A pedido da apresentadora, que queria retornar à televisão, o empresário contratou assessor, nutrólogo e outros serviços para a “afilhada”, como costumava chamá-la, e solicitou duas coisas em troca: “No programa, não beba e não brigue”. Nenhum dos dois foram atendidos, e Mara acabou sendo eliminada. “Perdi 2 milhões de reais aquele dia”, lembrou.

Ao sair do reality ficou acertado entre ambos que ela ficaria um tempo longe das câmeras, porém não foi exatamente que ocorreu. Semanas depois, Mara assinou contrato com o SBT e não o avisou. “Ela não me contatou que tinha assinado para ser apresentadora do Fofocalizando, foi uma surpresa para mim”, disse.

Segundo o contrato firmado e assinado entre ambas as partes (enviado por ele à reportagem): “Todas as propostas comerciais deverão ser aceitas expressamente pela agenciada e todos os contratos comerciais serão assinados conjuntamente por agenciador e agenciada” e “Nenhum parceiro comercial poderá ser contratado… Sem a concordância expressa do agenciador e agenciada”.

“Eu a tratei como uma filha. E ela me golpeia pelas costas desse jeito”, emocionou-se Bernal, que disse conhecer Mara há mais de 30 anos.