segunda-feira, 23 de novembro de 2020
Busca

Portal T5

Brasil

“Não houve racismo”, diz delegada sobre morte de homem negro em supermercado

Laudo médico preliminar aponta asfixia como "causa provável" da morte de João Alberto, 40 anos, espancado por seguranças do mercado

Por Carlos Rocha

20h45 - Atualizado 20/11/2020 às 20h41
Foto: Reprodução/ Twitter

A delegada Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, responsável pela investigação sobre a morte de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, negro, morto após ser espancado na noite desta quinta-feira (19) por dois seguranças em frente a um supermercado Carrefour, em Porto Alegre, disse que o crime não pode ser considerado, até o momento, como racismo.

“Até o presente momento não há nenhum indicativo de que tenha alguma conotação racista. O inquérito policial se iniciou hoje. Nós temos vários dias para apurar esse fato, de forma bem ampla, podendo, nesse período, vir à tona algo nesse sentido ou não. O racismo é um outro fato criminoso completamente diferente do que aconteceu aqui. Não tem nada a ver”, afirmou Bertoldo, em entrevista ao portal Metrópoles.

Confira a reportagem completa no Metrópoles, parceiro do Portal T5

Leia também:

Aulas presenciais são suspensas em Cabedelo por determinação da Justiça

Paraíba registra 633 novos casos de Covid-19 e 4 óbitos nesta sexta-feira

Casal de João Pessoa é preso com 100 Kg de maconha após perseguição no RN

Preso homem que praticava assaltos e atacava banhistas em praias da Grande João Pessoa

Bandidos pulam muro de casa e matam idoso com tiro na cabeça em João Pessoa