Paraíba, quarta-feira, 21 de agosto de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Brasil

Bolsonaro demite secretário de imprensa recém-nomeado no Palácio do Planalto

​Ele foi o quarto a ocupar a cadeira desde que o presidente assumiu o mandato.

Por Redação Portal T5

08h52 - Atualizado 14/08/2019 às 13h22

GUSTAVO URIBE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em uma nova crise na área de comunicação, o presidente Jair Bolsonaro demitiu na noite desta terça-feira (13) o recém-nomeado secretário de imprensa do Palácio do Planalto, Paulo Fona.

+ Band vaza quem vai estar na prova de eliminação na semifinal do 'MasterChef 2019'; veja

+ Xuxa admite briga com Ivete Sangalo

+ Vídeo: padre ortodoxo realiza batismo violento, machuca criança e é afastado

Ele foi o quarto a ocupar a cadeira desde que o presidente assumiu o mandato. Antes de a nomeação dele ter sido publicada no Diário Oficial da União, na última quarta-feira (7), o cargo estava vago havia mais de um mês.

+ "Ele acha que é dono de mim", diz mulher queimada com cigarro por ex-marido em JP

O secretário anterior, Fernando Diniz, ficou menos de 30 dias na função. Fona foi escolhido pelo chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), Fábio Wajngarten, que tem perdido poder.

+ Criminosos explodem banco e fazem guardas municipais reféns no Sertão da Paraíba

Nesta semana, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, retirou da Secom a estrutura do porta-voz da Presidência da República, que passará a responder diretamente à pasta.

+ Atropelamento deixa grávida e criança de 1 ano feridas em João Pessoa

Procurado pela reportagem, Fona disse que a decisão o "pegou de surpresa". Segundo a reportagem apurou, a exoneração se deveu ao histórico do profissional, que atuou para quadros do MDB, do PSDB e do PSB.

"A decisão da minha exoneração pelo presidente me pegou de surpresa. Fui convidado para assumir a Secretária de Imprensa, alertei-os de meu histórico e minha postura profissional e a intenção de ajudar na melhoria do relacionamento com a mídia em geral", disse.

+ Jovem é baleada na frente de casa em João Pessoa

Ele ressaltou que sempre soube que o desafio "era imenso", mas que "esperava maior profissionalismo". "O que não encontrei", ressaltou.

"Construí minha carreira profissional com meus próprios méritos e defeitos. Obrigado a todos os jornalistas que me acolheram de maneira calorosa e esperançosa de que o relacionamento mudaria", afirmou.


Desde o início do governo, a estrutura da comunicação passa por uma sequência de crises. A mais recente ocorreu por conta de declarações polêmicas do presidente em cafés da manhã com a imprensa.

No último encontro, Bolsonaro disse que não havia fome no país e chamou governadores nordestinos de "paraíbas".


Por conta do episódio, o porta-voz Otávio Rêgo Baros passou a ser criticado pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) e pelo deputado federal Marco Feliciano (Pode-SP).


Para evitar uma queda-de-braço, Bolsonaro saiu em defesa de Barros e disse que continuaria a fazer cafés da manhã. Desde o episódio, ocorrido em 19 de julho, no entanto, nenhum outro foi marcado pelo presidente.