Paraíba, domingo, 15 de setembro de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Brasil

Defensores Públicos dizem que desfile de crianças aptas a adoção em Cuiabá viola direitos humanos

Em nota de repúdio, a associação dos defensores diz que o evento "tratar as crianças como um objeto de apreciação"

Por Redação Portal T5

20h35
Foto: Divulgação/OAB

A Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (Anadef) repudiou o desfile de crianças e adolescentes aptos a adoção realizado no Mato Grosso, em que meninos e meninas entre 4 e 17 anos foram expostas na passarela de um shopping de Cuiabá. Para a Anadef, o evento viola os direitos humanos.

“Para nós, defensores e defensoras federais, o ato representa grave violação aos direitos humanos ao tratar as crianças como um objeto de apreciação, podendo ocasionar graves efeitos psicológicos devido à exposição. Sabemos que, lamentavelmente, o processo de adoção no Brasil é bastante moroso e precisa ser aprimorado, mas é inaceitável qualquer ação que trate pessoas, de qualquer idade, raça ou religião, como uma mercadoria”, diz o comunicado.

O desfile foi organizado pela Associação Matogrossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (Ampara) e pela Comissão de Infância e Juventude da OAB do Mato Grosso, e teve aval dos juízes Carlos Rondon Luz, da Vara Especializada da Infância e Juventude de Várzea Grande, e Gleide Bispo dos Santos, da 1ª Vara da Infância e Juventude da Comarca de Cuiabá.

Para a presidente da Ampara, Lindacir Bernardon, porém, o evento tem se mostrado eficaz. Ela atribui ao evento de 2017 o fato de dois adolescentes de 14 e 15 anos terem sido adotados. "Esperamos que neste ano também consigamos que novas crianças sejam adotadas nesta faixa etária em que não é comum se concretizar uma adoção."

Sobre possível frustração destas crianças e adolescentes, Lindacir diz que isso é inevitável. "A frustração acontece, mas eles têm a consciência disso. Só estão participando deste projeto porque ainda não conseguiram uma família", afirmou. "Quem critica é porque não conhece a realidade destas crianças."

Leia também:

Conmebol volta atrás e acaba com veto a clubes de divisões inferiores na Libertadores

Senado aprova extensão da Lei Maria da Penha para mulheres transgêneras e transexuais