segunda-feira, 18 de novembro de 2019
Busca

Portal T5

Brasil

"Não respondo a criminosos", dispara Moro sobre ataques de Lula

Ele foi chamado de "canalha" pelo ex-presidente, que também disparou contra Dallagnol e a TV Globo​

Por Carlos Rocha

17h10 - Atualizado 11/11/2019 às 09h45
Foto: Reprodução

Cobrado pelos seus seguidores a se manifestar sobre os ataques de Lula, em um discurso realizado na tarde deste sábado (9) no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), o ministro Sérgio Moro usou seu Twitter para dizer que não responde "a criminosos, estando dentro ou fora da cadeia". Ele foi chamado de "canalha" pelo ex-presidente, que também disparou contra Dallagnol e contra a TV Globo.

"Aos que me pedem respostas a ofensas, esclareço: não respondo a criminosos, presos ou soltos. Algumas pessoas só merecem ser ignoradas", escreveu o ministro.

+ Sotaque de apresentadora paraibana na bancada do JN repercute nas redes sociais

+ Hotel do jogador Hulk, em João Pessoa, terá 124 suítes; veja imagens

+ Vídeo: Luciano Huck se pronuncia sobre o avião dele ter sido usado por Lula

+ João Pessoa tem 354 vagas de emprego nesta semana; veja a lista

Siga nosso Instagram Facebook e fique bem informado! 

Adicione nosso WhatsApp: (83) 9 9142-9330.

Um dia após deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Lula encontrou com correligionários e começou a discursar por volta das 15h. Lula começou disparando contra a TV Globo. "Está ali o helicóptero da Rede Globo, novamente para falar merda", disparou o presidente.

Lula continuou o discurso afirmando que foi injustiçado e que poderia procurar uma embaixada e ir para outro país, no entanto, ele seria tratado como fugitivo. O ex-presidente continuou dizendo que resolveu encarar o problema para mostrar quem são os que o acusam.

"Tomei a decisão para ir para a polícia federal para provar que o juiz Moro não era juiz, era um canalha. Que o Dallagnol não representava o Ministério Público, ele montou uma quadrilha na Lava Jato. Que os delegados que fizeram inquérito mentiram em cada palavra que escreveram. Eu poderia fugir mas fui até lá para provar quem eles são", disse.

Em meio ao discurso, Lula afirmou que, em seu discurso, Bolsonaro teria confessado que devia a eleição ao ministro Sérgio Moro e à campanha de FakeNews realizada para prejudicar o então candidato Fernando Haddad (PT).

"Mesmo preso dormia tranquilo, sem a consciência pesar. Eu duvido que o senhor Bolsonaro durma com a consciência tranquila", disse.