Paraíba, sexta-feira, 23 de agosto de 2019
30° C
Busca

Portal T5

Brasil

​‘Apagão’ que deixou Norte e Nordeste às escuras foi causado por falha humana, diz ONS

A empresa Belo Monte Transmissão de Energia (BMTE) não informou ao ONS que havia estabelecido o limite de segurança.

Por Cristiano Sacramento

13h49 - Atualizado 06/04/2018 às 13h51
Vários estados ficaram sem energia fazendo com que muita gente recorresse ao uso de velas.
Vários estados ficaram sem energia fazendo com que muita gente recorresse ao uso de velas. Imagem: Reprodução / Internet

Na manhã desta sexta-feira (6), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou que o apagão que atingiu 70 milhões de pessoas no Norte e Nordeste, no dia 21 de março tem como causa uma falha humana.

No primeiro comunicado divulgado pela instituição, foi constatado um ajuste de proteção indevido no disjuntor da Subestação Xingu, localizado no Pará.

'Apagão’ foi provocado por problema técnico na Usina de Belomonte, diz Energisa

Segundo o diretor-geral, Luiz Eduardo Barata, a empresa Belo Monte Transmissão de Energia (BMTE) não informou ao ONS que havia estabelecido o limite de segurança no disjuntor. Como desconhecia o ajuste, o operador determinou a passagem de uma carga superior ao limite, e o sistema interrompeu a circulação de corrente entre os dois lados da subestação, causando um excesso de geração de energia elétrica de um lado e falta do outro” reportou a Agência Brasil.

A falha é humana, porque alguém programou o ajuste, e esse ajuste foi um ajuste indevido’, disse Barata.

Quando o disjuntor interrompeu o fluxo entre os dois lados da subestação, toda a energia que chegava da Usina de Belo Monte, e que deveria seguir para o Nordeste, permaneceu na Região Norte, causando uma geração acima da necessária. O Nordeste, que nesta época do ano recebe a energia de Belo Monte para compensar a menor geração eólica, ficou com menos geração do que carga.

O problema desequilibrou o sistema e gerou o desligamento em cascata, que apagou 98% das linhas de transmissão do Nordeste e 86% do Norte. Das 480 linhas de transmissão nas duas regiões, 458 saíram do sistema.

A abertura do disjuntor se deu às 15h48, e em questão de segundos os sistemas de energia elétrica do Norte, Nordeste e Sudeste/Centro-Oeste se separaram.

A recomposição do sistema começou na Região Norte por volta de dez minutos depois do incidente, e foi concluído às 17h50. Na Região Nordeste, a recomposição teve início às 16h16 e só foi concluída às 21h25.

Um problema adicional fez o blecaute tomar dimensão maior na região Nordeste: duas unidades na Usina Hidrelétrica de Paulo Afonso, na Bahia, foram desligadas por descoordenação no sistema de proteção.

O desligamento ocorreu depois que a frequência do sistema já havia sido normalizada no Nordeste, derrubando-a novamente, o que ativou a proteção de usinas térmicas na região e também as desligou.

O relatório foi encaminhado aos agentes envolvidos, incluindo a empresa Belo Monte, e, dentro de 15 dias, no máximo, a versão final será apresentada à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). É a agência reguladora que vai responsabilizar e definir possíveis punições aos envolvidos.

Segundo o ONS, o problema que originou o blecaute já foi solucionado. A Subestação de Xingu passou a ter dois disjuntores desde o fim de semana posterior ao apagão, e eles funcionam com um sistema de alarmes, em vez de desligarem em caso de possibilidade de sobrecarga”, completa o texto.