segunda-feira, 16 de dezembro de 2019
Busca

Alagoas

Alagoas

Divórcio: em Alagoas, rompimento legal é maior nos dois primeiros anos e com mais de 10 anos de casados

Levantamento também revela crescimento no número de casamentos homoafetivos.

Por Erika Basilio

15h36

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (4), as Estatísticas do Registro Civil 2018, onde revelam que o índice de divórcios em Alagoas é maior entre casais nos dois primeiros anos e com mais de 10 anos de casados.

No ano de 2018, 15.096 casais oficializaram sua união em cartório. Mas, na outra direção, foram registrados 7.196 divórcios no estado, contabilizando os divórcios concedidos em 1ª instância (6.630) e os extrajudiciais (566).

Veja o tempo de casados e o número de divórcios por ações judiciais em 2018:

  • 1 ou 2 anos de casados: 738 divórcios
  • 3 anos: 409
  • 4 anos: 351
  • 5 anos: 324
  • 6 anos: 310
  • 7 anos: 274
  • 8 anos: 259
  • 9 anos: 239
  • 10 a 14 anos: 1.020
  • 15 a 19 anos: 740
  • 20 anos ou mais: 1.955

Apenas 11 casais não declararam o tempo de matrimônio.

O levantamento revela ainda que o número de divórcios cresce ano a ano. Considerando somente os processos em 1ª instância, a alta constante tem sido observada há 4 anos:


  • 2015: 3.666 divórcios
  • 2016: 4.237 divórcios
  • 2017: 5.321 divórcios
  • 2018: 6.630 divórcios
Casamentos homoafetivos teve alta em dezembro. Dos 15.096 casamentos realizados em Alagoas em 2018, 5.640 foram em Maceió e o restante, no interior. A maioria era de casais heterossexuais:


  • Casamentos entre homem e mulher: 15.001
  • Casamentos entre homens: 39
  • Casamentos entre mulheres: 56
Seguindo a tendência nacional de alta, o número de casamentos no estado em 2018 foi maior que em 2017, quando foram registrados 14.747 casamentos. Mas o que chamou atenção foi o pico, no mês de dezembro, de casamentos em que ambos os cônjuges são do mesmo sexo.


De janeiro a novembro de 2018, Alagoas teve 21 casamentos entre homens. Já em dezembro, foram 18 casamentos de cônjuges homens, quase a mesma quantidade registrada em 11 meses. Uma alta ainda maior aconteceu em relação aos casamentos em que ambos os cônjuges são mulheres. Foram 37 casamentos somente no mês de dezembro, bem menos que os 19 registrados nos 11 meses anteriores.


Os dados divulgados pelo IBGE apontam que o número de casamentos homoafetivos aumentou após o resultado das eleições. Estudiosos de temas ligados à população LGBTI+ (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, transgêneros e intersexo) veem relação entre o fenômeno e o momento político do país.

“Muitos casais formalizaram suas uniões com medo de que em breve isso não fosse mais possível”, apontou a advogada Andressa Regina Bissolotti dos Santos, que é doutoranda em direitos humanos e democracia pela Universidade Federal do Paraná e integrante da Rede Lésbica Brasil.

Meses com mais e menos casamentos

Embora seja considerado o mês das noivas, maio não foi o que teve maior número de matrimônios. Com 1.722 casamentos registrados, o quinto mês do ano perdeu para novembro, que teve 1.873 casamentos.

Em contrapartida, os meses com menos casamentos foram junho (819) e fevereiro (936).